Publicado por Katharyne Bezerra

A cada quatro anos o nosso calendário sofre uma mudança no mês de fevereiro. Esse, que normalmente possui 28 dias, nesse período passa a ter 29. A alteração ocorreu em 46 a.C., de acordo com o Calendário Juliano.

Que em 1582, passou a ser Gregoriano, graças a uma intervenção de estudos feita pelo papa Gregório XIII e seus companheiros de pesquisas, o matemático e jesuíta, Cristophorum Clavius, e o astrônomo, Aloisius Lilius.

Neste artigo, você vai entender porque surgiu o ano bissextos, o que ele significa, como ocorre esse fenômeno e quais lugares do planeta se apoiam nesses estudos e utilizam esse calendário para suas cronologias.

A história do ano bissexto

Os egípcios foram os primeiros povos a estabelecerem uma ordem no tempo. Com suas regras fixas, o calendário consistia em 12 meses de 30 dias seguidos, adicionando mais cinco no final do ano para completar os 365 dias.

Ano bissexto: o que significa e como surgiu

Foto: depositphotos

Eram também divididos em três estações relacionadas ao rio Nilo, eram elas: Cheias, Semeio e Colheita. Os egípcios só sentiram a diferença dos dias depois de um certo tempo, quando isso afetou suas colheitas e ameaçaram sua sobrevivência.

Esse calendário que regeu o Egito por muitos anos, foi considerado como base para os outros estudos que foram desenvolvidos pelos gregos e romanos. Então, em 46 a.C. Júlio César instaurou em Roma o Calendário Juliano. Baseado nas pesquisas do astrônomo Sosígenes de Alexandria, o ano para os romanos passou a ter 365,25 dias, o primeiro dia seria em janeiro e  de quatro em quatro anos teria um dia a mais, totalizando 366 dias, o famoso ano bissexto.

Já em 1582, o papa Gregório XIII refez os estudos dos romanos e concluiu que havia um erro. Um ano, na verdade teria 365,2422, o que explicava o excesso de dias no calendário Juliano, tendo em vista que se passassem 400 anos, haveria uma diferença de três dias. Ficou definido, então, que no ano bissexto (a cada quatro anos) o mês de fevereiro teria um dia a mais, sendo 29, ao contrário do normal que é 28.

Qual a função do ano bissexto?

O planeta Terra faz diversos movimentos, existem dois que são os mais conhecidos: o de rotação e o translação. O primeiro corresponde a volta que a Terra faz no seu próprio eixo e equivale a um dia (24 horas). Já o segundo é a volta que o planeta faz ao redor do sol, que dura 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos, aproximadamente.

Um ano teria que abrigar essa volta em torno do sol e ainda assim acrescentar as horas, minutos e segundos restantes. Desta forma, os estudiosos resolveram acrescentar um dia a mais a cada quatro anos. O objetivo do ano bissexto é manter o calendário anual ajustado com o movimento de translação da Terra e contemplar as mudanças de temperatura que ocorrem durantes esse período, como é o caso das estações.

Critérios para um ano ser bissexto

O último ano bissexto foi em 2012, logo, o próximo será 2016. Para identificar se um terá 366 dias é preciso levar em consideração alguns critérios, são eles:

  • O ano deve ser divisível por 4. Portanto, o resto da divisão deve ser igual a zero;
  • Esse mesmo ano não pode ser divisível por 100. O que significa dizer que na divisão, o resto deve ser diferente de zero;
  • E o ano em questão pode ser divisível por 400.

Por exemplo, 2015 dividido por 4 tem como resto o número 3. Já quando é dividido por 400, tem como resto 15. Isso implica dizer que esse ano não foi bissexto. Agora se dividirmos 2016 por 4, teremos como resto 0. E se o cálculo for por 100, o restante é 2. Resumindo, 2016 terá 366 dias.

A aceitação dos países do ano bissexto

Nem todos os países do mundo usam essa regra de uma dia a mais a cada quatro anos, por questão de cultura, são eles: Índia, Argélia, China,Irã, Israel, Paquistão entre outros. Já a maioria dos países ocidentais fazem uso do ano bissexto, esse é o caso do Brasil e de muitas outras nações.

Veja mais!