Publicado por Tailane Paulino

Você já deve ter se perguntado se aranha é inseto, já que esta é uma dúvida muito comum. Isso se deve ao fato dos animais pertencerem a uma mesma família e possuírem diversas coisas em comum.

No entanto, existem algumas diferenças que fazem com que estes animais se distingam completamente dos seus primos insetos. Neste artigo você vai descobrir tudo sobre esse animal, como quantas espécies existem, do que se alimentam e ainda quais os cuidados que é preciso ter para evitar acidentes.

Afinal, aranha é inseto?

Esse é um erro comum pois a maioria das pessoas acredita que aranha é inseto. No entanto, esses animais de oito patas pertencem a classe dos aracnídeos. Para entender isso é necessário fazer uma pequena explicação.

Tanto os aracnídeos quanto os insetos são subdivisões dentro da classe dos artrópodes. Esses são animais invertebrados, que possuem um exoesqueleto, ou seja, uma casca dura por fora, e pernas articuladas. No entanto, as semelhanças entre os insetos e as aranhas acabam por aí.

Desenho de aranha sorrindo

A aranha possui 4 pares de pernas, já os insetos possuem 3 pares (Foto: depositphotos)

O principal ponto de diferença entre as duas classes é o fato dos insetos possuírem três pares de pernas, enquanto os artrópodes apresentam quatro pares. Outra diferença é ausência de antenas no grupo o qual as aranhas estão inseridas.

As aranhas fazem parte de um grupo que engloba mais de 40 mil espécies diferentes. Podendo ser encontradas em quase todos os continentes do mundo e em biomas distintos. As diversas espécies deste animal são classificadas em dois grupos por causa de suas características distintas.

O principal e com maior número de indivíduos é o opisthothelae. Nele estão a maior parte de todas as espécies já catalogadas e que são chamadas de aranhas modernas. O segundo grupo é das mesothelae, que apresentam apenas algumas espécies quase nunca avistadas.

Os animais desta família possuem diversas características que os diferenciam das aranhas modernas e podem ser encontrados em algumas florestas em países da Ásia.

A qual classe de animais elas pertencem?

Ao contrário do que muita gente pensa, as aranhas não pertencem à classe dos insetos, mas elas pertencem a um grupo chamado de aracnídeos. Para que isso fique mais claro é preciso explicar o que são cada uma dessas divisões.

Em primeiro lugar é preciso saber que todas as espécies são classificadas em grupos de acordo com as características que possuem em comum. Este sistema de classificação é chamado de taxonomia.

Dentro desta classificação existem diversas classes e subclasses. Elas são reino, filo, família, classe, infraclasse, família, subfamília, gênero e espécie. Para entendermos porque os aracnídeos e insetos são grupos distintos, é preciso ver onde eles se encaixam neste sistema de classificação de seres vivos.

Para deixar mais claro, tanto insetos quanto aracnídeos se encontram no mesmo filo, dos artrópodes. Eles são uma subdivisão dentro do reino animal e apresentam criaturas invertebradas. No entanto, todas possuem um exoesqueleto e pernas articuladas.

A partir daí a classificação segue para a classe, onde são agrupados os seres que possuem mais características em comum. É nesse ponto onde as aranhas deixam de fazer parte do mesmo grupo que os insetos.

Sendo assim, os aracnídeos, grupo do qual fazem parte animais como aranhas, escorpiões, carrapatos e até mesmo ácaros, possuem em comum as características de terem os olhos simples e serem formados por quatro pares de pernas.

Veja também: Conheça a aranha que faz a maior e mais forte teia do mundo

Quais as diferenças entre aranhas e insetos?

Já foi dito neste artigo sobre o erro comum de achar que uma aranha é inseto. No entanto, existem diversas diferenças entre elas e essa classe distinta do reino animal.

Como todo artrópode, as aranhas possuem um esqueleto que protege a parte externa do corpo e pernas articuladas. Contudo elas possuem quatro pares de pernas, enquanto os insetos apresentam três.

Uma outra característica que diferencia os dois grupos de animais é a presença de mecanismo sensoriais na cabeça dos insetos. Esses mecanismos são as antenas e funcionam como uma forma de exploração do ambiente.

Já nas aranhas estes mecanismos são encontrados geralmente no primeiro par de pernas, que são mais longas que as outras. Elas funcionam como uma sonda, para explorar o ambiente.

Outra diferença está nos olhos. Os insetos possuem olhos que são formados por um composto de minúsculas lentes, que dão a esses animais uma visão mais ampla.

No caso das aranhas elas podem apresentar entre 8 olhos e até mesmo nenhum, como acontece em algumas espécies. No entanto, eles são formados por uma única lente simples.

Por fim, existe a diferença na anatomia desses animais. Os insetos geralmente apresentam um corpo dividido em três partes. Sendo a cabeça, o tórax e o abdome. Já no caso das aranhas elas possuem apenas duas divisões. O cefalotórax, onde fica localizada a cabeça e de onde saem as pernas e o abdome. Nessa parte é onde aparecem as glândulas que produzem a teia.

Quais as principais características das aranhas?

Aranhas são animais que possuem diversas características únicas como espécie. A principal delas, como já foi falado neste artigo, é a presença de duas divisões no corpo destes animais.

Aranha em folha

Algumas espécies de aranhas possuem até 8 olhos, outras nenhum (Foto: depositphotos)

As aranhas possuem um corpo dividido entre cefalotórax e abdome. No cefalotórax ficam a cabeça e os olhos, quando eles estão presentes. Além disso é nessa parte do corpo que ficam as pernas e podem ser encontradas as quelíceras e as presas.

As quelíceras podem ser confundidas com as presas, no entanto elas são um tipo de pinças que servem para que o animal traga coisas para perto da boca. Já as presas ficam um pouco atrás e é como as aranhas injetam veneno nas suas presas.

No abdome ficam a maioria dos órgãos vitais do animal e também as glândulas fiandeiras. Esse mecanismo é o que produz a teia das aranhas. Uma curiosidade a respeito das teias é que elas são feitas de um material que é cerca de cinco vezes mais resistente que o aço da mesma espessura.

Elas também podem triplicar de tamanho quando esticadas e aguentam temperaturas de menos 45 graus, sem se partir. Algumas espécies de aranha conseguem fazer balões com as teias e se lançarem em correntes de ar, quando estão em um ecossistema que passe por uma escassez de comida.

Outras características que podem ser encontradas nas espécies

Os aracnídeos também possuem um sistema nervoso bastante desenvolvido, com alguns mecanismos que ficam localizados nas patas. Esses sensores estão ligados a pequenos pelos que podem ser vistos no primeiro par de pernas e servem para explorar o ambiente.

Outra característica interessante é que aranhas não podem se alimentar de alimentos sólidos. Possuindo até mesmo um sistema que impede que eles passem para o estômago.

Por isso elas injetam uma substância que paralisa as presas e faz com que os órgãos dela se diluam. Quando isso acontece os animais conseguem se alimentar.

Por último, é comum em grande parte das espécies catalogadas a prática de canibalismo. Isso ocorre geralmente em épocas de escassez de alimentos ou no acasalamento.

Essa prática é vista em uma espécie bastante comum aqui no Brasil, a viúva-negra. Ela se alimenta do macho durante o ato sexual como uma forma de repor os nutrientes que foram gastos para fabricar os ovos.

Onde esses animais vivem?  

De acordo com biólogos já foram catalogadas mais de 40 mil espécies de aranhas em todo mundo. Por isso elas formam uma grande parcela do grupo dos aracnídeos e podem ser encontradas em quase todos os continentes do mundo.

O único local da Terra onde as aranhas não foram encontradas foi a Antártida, por conta do clima extremo encontrado nesta região. Dito isso, esses animais podem ser encontrados em diversos tamanhos e habitarem os mais diversos ambientes.

Elas podem viver em cavernas escuras e até mesmo em teias feitas no topo das árvores. Algumas espécies conseguem criar enormes padrões de teia, que servem também para a captura de alimento.

Outras espécies maiores podem viver em buracos feitos nas árvores ou no chão e até mesmo em entulho formado por folhas secas. A característica em comum é que todas são caçadoras e possuem veneno que são injetados nas suas presas.

Do que elas se alimentam?

O método de caça também varia entre elas e também de acordo com o ambiente onde elas vivem. Existem as espécies que criam teias quase invisíveis, enquanto outras criam armadilhas com buracos no chão que são cobertos com teia e folhas secas. Outras espécies possuem hábitos mais agressivos e atacam diretamente suas presas quando as encontram.

A alimentação delas também varia muito. A depender do ambiente e do seu tamanho. De maneira geral, aranhas podem se alimentar de insetos, vermes, outras da mesma família e até mesmo pequenos roedores e pássaros.

Um exemplo disso é a espécie conhecida como theraphosa blondi também conhecida como aranha-golias-comedora-de-pássaros. Essa é considerada a maior espécie já encontrada e pode medir até 20 centímetros de envergadura.

A aranha-golias é nativa da Amazônia brasileira, mas pode ser vista também no Peru e na Venezuela.

No outro lado da escala, a menor espécie já encontrada é a patu digua. Essa espécie mede o equivalente a cabeça de um alfinete e é encontrada na Colômbia.

Veja também: Aracnídeos: classe com mais de 60 mil diferentes espécies

Quantas espécies de aranha existem no mundo?

Atualmente se tem conhecimento a respeito de mais de 40 mil espécies de aranhas, espalhadas por quase todos os ecossistemas terrestres. Estas espécies são divididas geralmente em duas famílias.

A primeira dessas famílias é a que concentra o maior número de espécies. A opisthothelae, que também é chamada de família das aranhas modernas, compõe a maior parte desses animais.

A segunda é chamada de mesothelae. Ela é formada apenas por algumas espécies que foram encontradas em florestas do sudeste asiático. Acredita-se que elas possam ser um fóssil vivo, já que possuem características vistas em animais pré-históricos.

Quais delas são perigosas para o ser humano?

Apenas 30 são consideradas potencialmente perigosas para o ser humano. Sendo um número extremamente baixo, levando em consideração o vasto número encontrado em todo o mundo.

No entanto, é preciso lembrar que todas elas possuem peçonha ou veneno. Essa peçonha, mesmo que de baixa toxicidade na maioria das espécies, pode causar complicações em pessoas alérgicas ou crianças e animais domésticos.

No caso das espécies que são consideradas perigosas para os seres humanos o veneno pode ser em alguns casos letal. Na maioria dos casos, eles causam fortes dores, necrose ou morte das células da área da picada e até mesmo paralisia e falência dos órgãos.

Nos casos mais graves, especialmente relacionados com crianças, a picada de uma dessas aranhas pode levar a morte em poucas horas. Portanto é importante procurar um médico sempre que sofrer algum acidente com alguma espécie perigosa.

No Brasil os hospitais aplicam o soro contra o veneno e que corta a ação dele no organismo. Vale sempre lembrar que quanto antes isso for feito, menor é o risco de complicações que podem levar a morte.

Quais podem ser encontradas no Brasil?

No Brasil apenas cinco espécies perigosas para o ser humano podem ser encontradas em ambiente natural.

Caranguejeira

Aranha caranguejeira

A picada desse animal causa apenas fortes dores, mas não é letal (Foto: depositphotos)

A mais comum delas é a caranguejeira, que é a causa do medo em muitas pessoas.

Isso se deve ao fato do tamanho e da aparência do animal, mas ela possui o veneno mais fraco entre todas da lista. De maneira geral, a picada desse animal causa apenas fortes dores e um pouco de febre, mas sem letalidade.

Aranha de jardim

Aranha de jardim

A picada da aranha-lobo causa dores fortes e formigamento na região (Foto: depositphotos)

Um outro tipo venenoso e comum é a aranha de jardim. Também conhecida como aranha-lobo, ela é um tipo de praga doméstica, mas não apresenta um comportamento agressivo. Casos de acidentes com esse animal são pouco comuns, já que elas só atacam quando se sentem ameaçadas. A picada da aranha-lobo causa dores fortes e formigamento em toda a região.

Viúva-negra

Aranha viúva-negra

O veneno da viúva-negra tem alta toxicidade, podendo causar a morte (Foto: depositphotos)

Uma outra espécie que pouca gente imagina que é perigosa é a viúva-negra. Essas aranhas constroem teias em locais escondidos de plantas e possuem uma cor vermelha. O veneno apresenta uma toxicidade considerada alta, que causa dores e pode acarretar na morte.

Aranha-marrom

Aranha-marrom

A picada da aranha-marrom causa dores, febre e até mesmo a necrose da região (Foto: depositphotos)

A espécie nativa de aracnídeos considerada como a maior causa de acidentes domésticos no país é a aranha-marrom.

Essa espécie é comumente encontrada em estados do sul e sudeste do país e se esconde frequentemente em guarda-roupas. Esse hábito, aliado ao pequeno tamanho do animal é o que acarreta na maioria dos acidentes, já que ela ataca quando se sente ameaçada. A picada da aranha-marrom causa dores, febre e até mesmo a necrose da região.

Aranha armadeira

Aranha armadeira

Essa espécie levanta as patas dianteiras quando se sente ameaçada (Foto: Reprodução | Primalshutter)

Em último lugar está a espécie que apresenta um maior perigo para seres humanos no Brasil, a conhecida como armadeira. O nome dela foi dado por conta do hábito de levantar as patas dianteiras quando se sente ameaçada. Essa espécie faz isso para parecer maior e afugentar possíveis predadores.

Essa aranha possui comportamento agressivo e gosta de permanecer escondida em entulho e no interior de botas. Por causa disso ela ocupa o segundo lugar em número de acidentes domésticos em todo o país.

O veneno deste animal possui uma toxicidade alta, que causa dor, espasmos e perda do controle muscular e respiratório. Em homens, o veneno possui um efeito de estimulação sexual que pode ser bastante doloroso.

Quando não tratado imediatamente o veneno pode levar a morte em pouco tempo. Especialmente em crianças e animais domésticos.

Cuidados necessários para se evitar acidentes

É preciso sempre tomar alguns cuidados para se evitar acidentes causados por qualquer espécie de aracnídeos, já que alguns tipos são extremamente perigosos para o ser humano.

A principal atitude é evitar o acúmulo de entulhos. Especialmente dentro de casa e no quintal, onde existe um risco maior de acidentes. Por isso, mantenha sempre todas as áreas ao redor das casas limpas e bata sempre os sapatos no chão antes de calçar.

Outro ponto importante é sempre manter armários e guarda-roupas arrumados e limpos. Para isso é importante realizar faxinas regularmente, que servem para que estes animais não se fixem nesses locais.

Outra dica é sempre sacudir todas as roupas antes de vestir. Isso serve para que se algum animal estiver escondido, consiga sair sem causar acidentes graves.

No entanto, caso nada disso adiante é importante seguir ao médico imediatamente após o acidente. Para ajudar no atendimento é preciso levar a identificação do animal, já que para cada um deles existe um soro adequado.

Qual o papel das aranhas no meio ambiente?

Você já viu neste artigo a resposta para a dúvida se aranha é inseto. No entanto, mesmo não sendo, é importante saber que elas possuem uma função importante na manutenção do meio ambiente.

De acordo com biólogos, as aranhas funcionam como um controle eficiente da população de insetos que representam perigo aos seres humanos. Já que a maioria das espécies não representam perigo, elas podem conviver com os seres humanos sem riscos de acidentes.

Só para exemplificar, estima-se que todas as aranhas do mundo, quando juntas, consomem mais de 500 milhões de toneladas de insetos ao ano. Isso representa um grande controle na população destes animais, em especial os que são responsáveis pela transmissão de várias doenças.

Veja mais!