Publicado por Débora Silva

Ao estudarmos a Gramática Normativa da Língua Portuguesa, lidamos com vários conceitos que podem nos confundir, não é mesmo? Um deles é o aposto, tema deste artigo.

O aposto é uma palavra ou expressão que explica, especifica, enumera, distribui, detalha, resume, esclarece, compara ou esclarece um termo anterior da oração.

Exemplos de aposto

O aposto pode aparecer antes ou depois do termo ao qual se refere e fornece novas informações, enriquecendo ainda mais os textos.

Classificação do aposto: entenda fácil e sem dor de cabeça

Foto: depositphotos

Confira a seguir alguns exemplos de aposto:

-William Shakespeare, maior dramaturgo do mundo, escreveu 38 peças, 154 sonetos, dois longos poemas narrativos e mais alguns versos avulsos.
-Nosso país, o Brasil, precisa de políticas sociais.
-Aqueles dois garotos – João e Rafael – ficaram de castigo após a aula.

Os tipos de aposto

O aposto pode ser classificado em:

Aposto explicativo

É usado para explicar ou esclarecer um termo da oração anterior. Este tipo de aposto pode aparecer entre vírgulas, parênteses ou travessões.

Exemplos:

-Laís, aluna muito dedicada, conseguiu notas muito altas nos exames.
-Rafael, meu amigo de infância, ganhou uma viagem dos avôs.
-Joaquim, o vizinho do segundo andar, começou a vender deliciosos doces.

Aposto distributivo

Distribui as informações dos termos da oração separadamente.

Exemplos:

-Ambos são excelentes alunos, um na física e o outro na geografia.
-Alice e Joaquim vivem no mesmo estado; este na cidade de Ribeirão Preto, aquela, na cidade de São José dos Campos.

Aposto enumerativo

Enumera os elementos constituintes de um termo da oração.

Exemplos:

-Joana já viajou por vários países: Estados Unidos, Inglaterra, Bélgica, Alemanha e França.
-Em meus amigos, valorizo principalmente três características: sinceridade, lealdade e companheirismo.
-Comprei tudo que estava na lista de compras: arroz, feijão, manteiga, abobrinha e rúcula.

Aposto especificativo

Serve para especificar ou individualizar um nome de sentido genérico. Normalmente é um nome próprio e não aparece isolado por vírgulas.

Exemplos:

-Visitei a cidade de São Carlos.
-Gosto do escritor Manuel Bandeira.
-A rua Getúlio Vargas é a próxima à direita.

Aposto comparativo

É utilizado para comparar um termo da oração com alguma coisa. Aparece entre vírgulas.

Exemplos: 

-A sua risada, harmonia de uma orquestra, ecoava pelo recinto.
-Seus olhos, jabuticabas brilhantes, olhavam-me sem piscar.

Aposto recapitulativo ou resumidor

Serve para resumir termos anteriores em uma só palavra.

Exemplos:

-Comprei batata, cenoura e tomate, tudo em promoção.
-Nem tempo, nem distância, nem brigas, nada nos separa.

Aposto de oração (oracional)

Resume os termos anteriores.

Exemplos:

-Ela tem um único desejo: que todos os seus filhos vivam sempre felizes.
-João pulou muito, sinal de alegria.

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas). 

Veja mais!