Publicado por Prof. Nathália Duque

Nesse artigo você vai aprender sobre a cobra coral, qual o seu habitat, seu tipo de alimentação e suas principais características. Veja também a diferença entre cobra coral verdadeira e a falsa. Veja a seguir!

As cobras são animais vertebrados, répteis, carnívoros, que possuem escamas na pele e o corpo alongado. Muitas das vezes elas também são chamadas de serpentes. Esses animais podem possuir uma substância super perigosa, chamada de peçonha.

A peçonha é um tipo de veneno que as cobras produzem para se defender de seus predadores e atacar suas presas. As cobras que possuem essas substâncias venenosas são chamadas de cobras peçonhentas.

As cobras peçonhentas representam um grande risco para as pessoas, pois podem causar sérios acidentes através de sua picada e veneno.

A pessoa picada por alguma cobra peçonhenta pode vir a morrer caso não receba o tratamento adequado. Nem todas as cobras são venenosas, porém, no nosso país, existem mais ou menos 60 espécies de cobras peçonhentas. As mais conhecidas são: jararaca, cascavel, jararacuçu, surucucu e cobra coral.

Características da cobra coral

A cobra coral pertence a mesma família da naja. Possui belas cores e seu corpo é formado por vários anéis. Possui a cabeça achatada em forma de triângulo, olhos pequenos, cauda curta e fina e o corpo coberto por escamas.

Cobra coral

A cobra coral é venenosa e tem hábitos noturnos (Foto: depositphotos)

É uma das cobras mais venenosas que existem no Brasil, muito comum no Amazonas e na região sudeste. Também é encontrada no sul da África, sul da Ásia, Austrália, América Central, América do sul e nos Estados Unidos. Possui hábito de vida noturno e fica enrolada em torno do próprio corpo.

Seu veneno quando atinge o sistema nervoso da vítima é muito tóxico e potente. Não são cobras agressivas, ou seja, não dão o bote, mas podem atacar quando se sentirem ameaçadas.

Habitat e alimentação

A coral normalmente fica escondida em moradas subterrâneas (tocas) durante o dia e saem para caçar a noite. Se alimentam de outras cobras, alguns peixes, répteis, lagartos e pequenos anfíbios.

Muitas cobras inofensivas têm anéis como os da cobra coral e isso induz os outros animais a acharem que elas são perigosas.

A coloração dessas cobras recebe o nome de aposemática, ou seja, é uma cor de alerta, indica perigo, atenção. O padrão de cores é copiado pela falsa coral, porém, existem algumas pequenas diferenças.

Veja também: Cobras e serpentes

Diferença entre a coral verdadeira e a falsa

A cobra coral verdadeira é uma serpente peçonhenta normalmente pequena e de cor bem chamativa. Seu corpo possui anéis vermelhos, pretos e brancos ou amarelos. Elas vivem embaixo da terra e são ovíparas, colocando em torno de 16 a 20 ovos. Seus filhotes já nascem venenosos.

Existe basicamente três coisas que pode diferenciar a coral verdadeira da coral falsa:

1- A coral falsa não é venenosa, mas coral verdadeira é;

2- Na coral verdadeira, a cor vermelha dos anéis do seu corpo não se encontra com a cor preta, tendo sempre um anel branco ou amarelo (dependendo da espécie) entre as duas cores. Mas isso não pode ser a única comparação para diferenciá-las, pois não podemos arriscar;

3- A posição dos dentes da coral verdadeira é diferente da coral falsa. As verdadeiras possuem duas presas frontais, usadas para injetar veneno nas vítimas, sendo esta a maneira mais segura de diferenciar uma da outra.

Pode ser difícil diferenciar de cara uma cobra coral verdadeira ou uma cobra coral falsa. Na dúvida é sempre melhor manter distância delas e evitar qualquer tipo de aproximação.

Sintomas da picada dessa cobra

A cobra coral tem um veneno muito perigoso e ele é considerado neurotóxico, pois atinge diretamente o sistema nervoso da vítima. Caso você se encontre frente a frente com uma cobra coral, é recomendável manter a calma e evitar se movimentar. Caso ela não se sinta ameaçada, certamente a coral irá embora. Jamais tente pegar uma cobra coral, pois seu veneno é fatal!

Cobra coral verdadeira

O veneno da cobra coral verdadeira é neurotóxico, pois atinge o sistema nervoso da vítima (Foto: depositphotos)

Normalmente as vítimas da cobra coral são as crianças que andam descalças. Caso você seja picado por essa cobra, os principais sintomas são: muita dor no local da picada, visão embaçada, dificuldade em abrir os olhos, sensação de sufocamento e falta de ar.

A morte causada pelo veneno pode ser provocada por uma parada cardíaca ou respiratória.

O veneno das corais normalmente age de forma relativamente lenta e o único tratamento que existe para a picada desta cobra é o soro antielapídico.

Lembre-se: nunca se deve mexer em folhas, troncos caídos no chão ou entulhos usando as mãos, principalmente se estiver em uma área de risco. A picada da cobra coral no adulto ou na criança pode ser fatal. Seu veneno é tão perigoso que pode matar um boi de 500 quilos.

Curiosidade: cobra coral azul

A cobra coral azul existe, mas não no Brasil, pois a temperatura do nosso país não é favorável para sua sobrevivência. Ela é encontrada na Indonésia, Camboja, Malásia, Singapura e Tailândia. É um tipo muito raro.

Sua cabeça e cauda podem ser de cor laranja, vermelha, amarela ou branca e seu corpo é de um azul brilhante sem igual. Ela é pequena, alcançando em torno de um metro e meio a dois metros de comprimento, mas seu veneno é extremamente fatal.

Veja também: Cobra-cega

A toxina dessa cobra é conhecida como “100 passos”, pois essa é a quantidade de passos que uma pessoa consegue dar após a picada, vindo a morrer rapidamente.

Cobra coral azul

Ainda não existe soro específico para a picada desta cobra (Foto: Reprodução | Pinterest)

A cobra coral azul é rara pois seu habitat natural já foi destruído cerca de 80% pelos seres humanos. Esta cobra tem o hábito de se alimentar de outras cobras peçonhentas e por isso seu veneno é considerado o mais potente entre as serpentes.

Quando o veneno da coral azul entra em contato com sua presa, esta fica paralisada instantaneamente. A toxina atinge os nervos do animal e ele parece ficar congelado. Com o animal congelado, a cobra pode devorá-lo tranquilamente.

Ainda não existe soro específico para a picada desta cobra! Seu veneno tem sido estudado pelos cientistas pois é de grande interesse médico.

*Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

PINHO, F. M. O.; PEREIRA, I. D. Ofidismo. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 47, n. 1, p. 24-29, 2001.

FRANÇA, Frederico Gustavo Rodrigues. O mimetismo das serpentes corais em ambientes campestres, savânicos e florestais da América do Sul. 2008.

DOS-SANTOS, Maria Cristina et al. Serpentes de interesse médico da Amazônia. UA/SESU, 1995.

Veja mais!