Publicado por Robson Merieverton

Os olhos dos animais invertebrados, assim como os nossos, servem para captar os estímulos dados pela refração de luz nos objetos, o que possibilita percebê-los e enxergá-los, sem que necessariamente ele enxergue imagens.

Esses estímulos são transportados pelas células receptoras do sistema nervoso, sendo levados até o cérebro, onde são interpretados.

Geralmente é isso que ocorre com qualquer animal invertebrado, exceto nos casos daqueles que habitam em lugares com total ausência de luz. Ainda sobre os animais invertebrados, eles possuem um par de olhos, podendo estar localizado na parte frontal da cabeça, lateral ou ainda suspendo por músculos.

Como funciona o sentido da visão nos invertebrados

foto: depositphotos

Sobre os animais invertebrados

Os animais invertebrados correspondem aqueles que não possuem crânio, nem coluna dorsal. Na maioria dos casos, eles possuem corpo mole ou um exoesqueleto de calcário, associado às funções do esqueleto interno dos vertebrados.

Essa estrutura ajuda na locomoção, sustentação e proteção. Em um total de 1,5 milhão de espécies catalogadas em todo mundo, ao menos 97% delas são invertebradas.

Visão nos invertebrados

Dentro do reino dos invertebrados, algumas peculiaridades são possíveis, quando o assunto está relacionado a visão. Entre os moluscos, o polvo, lula, caramujo, lesma e caracol apresentam olhos capazes de formar imagens. Os crustáceos conseguem detectar a intensidade e a direção da luz, mas não são capazes de formar imagens.

O mesmo ocorre com os insetos. Eles possuem estruturas de olhos identificadas como simples, o que possibilita percepção dos objetos de forma bem resumida, dada pela intensidade da luz. Esse instrumento de captação é chamado de ocelos.

Entre os artrópodes, a exemplo das moscas e gafanhotos, os olhos são compostos, com estruturas chamadas de omatídeos. Ela possibilita que a captação das imagens sejam feita por meio de cenas observadas. Isso dá a eles sentido exato da imagem, que aparece de forma bem definida.

Já no caso dos protozoários, a sensibilidade a luz só é possível graças a órgãos ou manchas pigmentárias presentes em seu citoplasma. As estruturas percebem a variação de luminosidade, o que faz com que eles enxerguem.

As minhocas apresentam uma forma bem particular de perceber os objetos. Elas possuem células fotossensíveis, dispersas na epiderme, que detectam a ausência ou a presença de luz, sem que imagens sejam definidas.

Veja mais!