Publicado por Lia Vieira

As montanhas são formas de relevo da superfície do planeta Terra, que se formam através de movimentos e acidentes geográficos. Esses acontecimentos são ocasionados, na maioria das vezes, por fenômenos vulcânicos e movimentações ocorridas entre as placas tectônicas situadas nas camadas internas do Planeta.

Como sabemos, a crosta terrestre não é contínua e lisa, mas que contém diversos recortes, que são conhecidos como placas tectônicas, que navegam e sofrem constantes movimentos/impactos entre si.

Placas tectônicas, vulcões e a formação de montanhas

Quando duas ou mais placas tectônicas se chocam, reações geográficas ocorrem, como por exemplo, é o caso dos terremotos, vulcões e até mesmo a formação de montanhas, que acontecem em função do atrito entre ambas as partes em movimento.

Como se formam as montanhas?

Foto: Pixabay

Sendo assim, em todos os casos em que as placas tectônicas se encontram e colidem, a que sofrer maior impacto ou a de peso mais leve, acaba afundando para baixo da placa mais densa, criando uma elevação da superfície, ao passo em que se dobra e forma-se uma camada dupla e mais alta, formando o que chamamos de montanhas.

No entanto, vale ressaltar que as montanhas podem ser originadas de processos de erosão e da erupção de vulcões, de forma que o material liberado, em contato com o ambiente, resfrie e torne-se rochoso, criando elevações na superfície terrestre e alterando a formação de todo relevo.

Quais são as maiores formações montanhosas da Terra?

As montanhas do Himalaia onde está localizado o Monte Everest, são consideradas as maiores formações montanhosas do mundo.

A formação teve como ponto de partida o encontro de duas placas tectônicas, de um lado a placa indiana, que havia se separado da placa africana, e do outro a placa euroasiática, que ao colidirem causaram um profundo choque. Tal colisão ocorreu ao nível do mar e se deu pelo encontro de fósseis e vestígios da existência de animais marinhos no topo da montanha.

Teoria das placas tectônicas

Houve uma época em que todos os continentes eram interligados, formando um único e imenso continente, que era rodeado pelos oceanos. Após essa época, o mesmo foi fragmentado e, com isso, formaram-se inúmeras placas que estão em constante movimento e em diferentes direções. Embora os movimentos das placas tectônicas sejam muito lentos, estes nunca são cessados. Assim, é possível explicar o constante crescimento das montanhas do Himalaia, que continuam em crescimento médio de 8 a 10 milímetros por ano.

Veja mais!