Publicado por Priscila Melo

Quem nunca viu em algum noticiário algo sobre terremotos ou abalos sísmicos? Geralmente esse tipo de coisa acontece em outros países e causam danos muito desastrosos para a toda a população. Mas você sabe como isso acontece? Vamos descobrir agora.

Como surge e o que é um terremoto?

Foto: Reprodução

Definição

Os terremotos, também conhecidos como abalos sísmicos, são tremores geralmente rápidos que ocorre na superfície terrestre. Estes tremores podem ser leves ou fortes e de acordo com sua intensidade, pode causar danos muito graves às populações.

Como surge?

Segundo a teoria da Deriva Continental, a crosta terrestre, que é a parte mais externa da Terra, é formada por uma camada rochosa que forma vários blocos, que são chamados de placas tectônicas ou placas litosféricas. Essas placas são muito grandes e estão sempre em movimento, o que pode fazer com que elas se afastem ou se aproximem uma das outras. Elas flutuam sobre o magma, que é um líquido muito quente que os vulcões expelem quando entram em erupção.

Devido a essa movimentação as placas tectônicas podem se chocar uma com as outras, ou uma placa mais densa pode mergulhar sob outra placa menos densa. Quando esse tipo de coisa acontece há um acúmulo de pressão e uma descarga de energia acontece, e isso faz com que surjam os terremotos.

Como ocorre?

Os terremotos são fenômenos naturais, e podem ocorrer devido a vários fatores. O principal deles é o encontro de diferentes placas tectônicas, mas também pode ocorrer devido a atividades vulcânicas e falhas geológicas.

Quando as placas tectônicas começam a se deslocar, a energia que estava acumulada em um local é liberada através de ondas elásticas, essas ondas começam a se espalhar por todas as direções e faz com que a terra comece a tremer.

O lugar onde ocorre o choque entre as placas tectônicas é chamado de hipocentro, que fica no interior da Terra, já o local na superfície terrestre onde se manifestam os primeiros tremores é o epicentro.

Medindo um terremoto

Um terremoto pode ser sentido a quilômetros de distância e isso depende da proximidade da superfície onde ocorreu o encontro e da magnitude do mesmo. Mas o que é magnitude, você sabe?

A magnitude é a quantidade de energia que é liberada no local do terremoto, onde ocorre a colisão das placas, ela é medida a partir da Escala Richter onde 1 é de intensidade muito fraca e 10 muito forte. O aparelho utilizado nessa escala chama-se sismógrafo. Já quando falamos da intensidade do terremoto, a escala utilizada é a de Mercalli.

As consequências

Os terremotos podem causar muitas consequências graves. Quando ocorrem em regiões próximas ao oceano ou até mesmo dentro dele podem provocar os Tsunamis, que são aquelas ondas gigantes que invadem o litoral de alguns países destruindo tudo por onde passam.

Quando ocorrem em áreas povoadas, na superfície terrestre, dependendo de sua magnitude e intensidade causam danos e muita destruição, como desabamento de construções (prédios, pontes, casas, estradas, etc.) e até a morte das pessoas.

Quando a intensidade e magnitude são baixas não ocorrem muitos danos, esses terremotos mais fracos são bem comuns, principalmente, no Japão e ocorrem centenas diariamente.

Esses tremores não acontecem em todas as regiões, o Brasil, por exemplo, se encontra em uma zona mais segura, pois está longe da zona de encontro entre duas ou mais placas tectônicas. Já os países que se encontram próximos a essas zonas de convergência, como: Japão, Haiti, Chile, Indonésia, Turquia, Estados Unidos e outros, sofrem com esses abalos.

Veja mais!