Publicado por Katharyne Bezerra

Quando falamos a palavra PET, logo vem a cabeça um instrumento muito utilizado nos dias atuais: a garrafa PET. Esta sigla acompanha a designação do objeto, pois ela faz referência ao polímero utilizado para preparara o material da garrafa, que na química recebe o nome de polietilenotereftalato ou politereftalato de etileno. Sendo assim, pode-se dizer que o termo PET é a abreviação desta substância que produz garrafas plásticas.

Entretanto, o PET não é só utilizado na fabricação deste objeto. Outros produtos também são produzidos a partir deste elemento, como embalagens plásticas, películas de filme, fibras sintéticas de roupas, entre outras. Para entender melhor como se forma o politereftalato de etileno é importante compreender o que é polímero.

Definição de polímero

Presente em quase todos os produtos que utilizamos atualmente, o polímero é formado pela união de moléculas grandes (macromoléculas) com moléculas pequenas (monômeros), e estas podem ser iguais ou diferentes. Com relação a sua origem podem ser denominados naturais ou sintéticos. Na primeira definição eles são encontrados em organismos vivos ou na natureza. Já quando se refere ao artificial, eles são produzidos no laboratório, como é o caso do politereftalato de etileno.

Conhecendo o polímero PET, sua estrutura e utilização

Foto: Reprodução/ internet

PET: Surgimento e características

Em 1941, período que coincide com o final da Segunda Guerra, os químicos Rex Whinfield e James Dickson descobriram uma substância grudenta que se estendia por longas e resistentes fibras, era o PET. A partir de então foram realizados diversos estudos para descobrir qual seria a finalidade de tal. Laboratórios dos Estados Unidos e da Europa introduziram na produção de tecido e após um resultado positivo investiram em outros fins. Na década de 60 foi dado início a sua utilização no procedimento de fabricação de garrafas. No Brasil, porém, este processo só iniciou em 1993.

Através de sua composição, o PET se torna transparente, impermeável, inquebrável e leve. Estas características permitem que esse elemento tenha algumas vantagens acima do vidro. Por exemplo, as garrafas PET são de mais fácil manuseio, por essa razão podem ser levadas para qualquer lugar, sem falar que, para empilhar, é muito mais prático. Além disso, um caminhão transporta 60% a mais garrafas deste elemento se comparada com a de vidro.

Problemas ambientais

Em contrapartida, o vidro sai na frente do plástico no que se refere a reciclagem do material. Isto ocorre por que as garrafas PET não são biodegradáveis. Em outras palavras pode-se dizer que elas não se decompõem com facilidade no meio ambiente, levam no mínimo 100 anos para desaparecerem da natureza. Desta forma se faz necessário a atuação de medidas que lutem pela preservação do meio ambiente, como a separação do lixo e também a reciclagem de materiais. Além de sempre lembrar que o lugar de lixo é na lixeira.

Veja mais!