Publicado por Débora Silva

Na obra “Novíssima Gramática da Língua Portuguesa”, Domingos Paschoal Cegalla define a conjunção como sendo uma palavra invariável que liga orações ou palavras da mesma oração.

As conjunções são divididas em dois grupos: as conjunções coordenativas e as subordinativas. Neste artigo, abordaremos as conjunções subordinativas.

O que são as conjunções subordinativas?

De acordo com o gramático Cegalla, as conjunções subordinativas ligam duas orações, subordinando uma à outra.

O gramático afirma que, com exceção das integrantes, as conjunções subordinativas iniciam as orações que traduzem circunstâncias (causa, comparação, concessão, condição ou hipótese, conformidade, consequência, finalidade, proporção, tempo).

Conjunções subordinativas: aprenda a diferenciar e a usar corretamente

Foto: depositphotos

Divisão das conjunções subordinativas

Ainda de acordo com o gramático Cegalla, as conjunções subordinativas são divididas em:

1) Conjunções subordinativas causais

São aquelas que iniciam orações que exprimem causa: porque, que, pois, como, porquanto, visto que, visto como, já que, uma vez que, desde que.

Vejamos os exemplos a seguir:

-O tambor soa porque é oco.
-Desde que é impossível, não insistirei.
-Como o calor era grande, decidiu entrar na piscina.

2) Conjunções subordinativas comparativas

Iniciam as orações que representam o segundo elemento de uma comparação: como, (tal) qual, tal e qual, assim como, (tal) como, (tão ou tanto) como, (mais) que ou do que, (menos) que ou do que, (tanto) quanto, que nem, feito (= como, do mesmo modo que), o mesmo que (= como).

Confira alguns exemplos a seguir:

-Ela era arrastada pela vida como uma folha pelo vento.
-“Por que ficou me olhando assim feito boba?” (Carlos Drummond de Andrade)
-Os políticos fazem menos do que prometem.

3) Conjunções subordinativas concessivas

As conjunções subordinativas concessivas iniciam orações que indica contrariedade: embora, conquanto, que, ainda que, mesmo que, ainda quando, mesmo quando, posto que, por mais que, por muito que, por menos que, se bem que, em que (pese), nem que, dado que, sem que (= embora não).

Observe os seguintes exemplos:

-A vida tem um sentido, por mais absurda que possa parecer.
-Fez tudo certo, sem que eu lhe ensinasse.
-Coma, nem que seja um pouco.

4) Conjunções subordinativas condicionais

São aquelas que iniciam orações indicam uma condição ou hipótese: se, caso, contanto que, desde que, salvo se, sem que (= se não), a não ser que, a menos que, dado que.

Confira os exemplos a seguir:

-Ficaremos tristes, se você não vier.
-Não sairás daqui sem que antes me contes tudo.
-Comprarei o urso de pelúcia, desde que não seja caro.

5) Conjunções subordinativas conformativas

Inicia uma oração em que se indica conformidade de um fato com outro: como, conforme, segundo, consoante.

Observe estes exemplos:

-As coisas não são conforme dizem.
-“Tal foi a conclusão de Aires, segundo se lê no Memorial.” (Machado de Assis)

6) Conjunções subordinativas consecutivas

Iniciam orações que indicam consequência: que (precedido dos termos intensivos tal, tão, tamanho, às vezes subentendidos), de sorte que, de modo que, de forma que, de maneira que, sem que.

Veja os exemplos a seguir:

-Minha mão tremia tanto que mal podia escrever.
-Ontem estive gripada, de modo que não saí de casa.
-As crianças não podem ver um brinquedo que não o queiram comprar.

7) Conjunções subordinativas finais

Iniciam uma oração que indica a finalidade: para que, a fim de que, que (= para que).

Observe os exemplos a seguir:

-Aqui vai o texto para que o leia.
-Fiz-lhe sinal que se calasse.

8) Conjunções subordinativas proporcionais

Iniciam orações que indicam proporcionalidade: à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais… (tanto mais), quanto mais… (tanto menos).

Veja os exemplos a seguir:

-Quanto mais as cidades crescem, mais problemas vão tendo.
-À medida que se vive, mais se aprende.

9) Conjunções subordinativas temporais

Iniciam orações que indicam tempo: quando, enquanto, logo que, mal (= logo que), sempre que, assim que, desde que, antes que, depois que, até que, agora que, ao mesmo tempo que, toda vez que.

Observe estes exemplos:

-Venha quando você quiser.
-Não fale enquanto come.
-Agora que o tempo esquentou, podemos ir ao clube.

10) Conjunções subordinativas integrantes

Introduzem orações que funcionam como substantivos: que, se.

Veja os exemplos a seguir:

-Verifique se o muro é sólido.
-Não sei se existe ou se dói.

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas). 

Veja mais!