Publicado por Nayla Georgia

Muito utilizada na culinária mundial, inclusive brasileira, a pimenta é uma iguaria que ajuda a realçar alguns sabores de alimentos. No Brasil, as mais usadas são a pimenta-de-cheiro, dedo-de-moça e a forte malagueta. Nem todas as pimentas ardem, embora, de fato, essa seja a sua característica mais marcante. Na verdade, as pimentas que dão aquela sensação da língua pegando fogo são apenas as que possuem uma substância específica na sua composição: a capsaicina.

Porque a pimenta arde?

A capsaicina é uma substancia química que fica concentrada na placenta da pimenta. A placenta é aquela parte branca que envolve as sementes da pimenta e quando ela é danificada (cortada ou mastigada, por exemplo) libera a capsaicina. Embora a substância seja responsável pelo ardor, ela não tem cheiro ou sabor. O que acontece é que a capsaicina atua como estimulador da sensação de ardência, que nossos nervos captam e enviam a mensagem de desconforto ao cérebro. Contudo, a capsaicina é considerada um ingrediente medicinal que ajuda na prevenção de alguns problemas como resfriados, por exemplo.

A intensidade da ardência varia muito entre pimentas, pois apresentam quantidades diferentes na escala de ardência.

Escala de ardência?

Imagem de pimentas

Foto: Pixabay

Em 1912, o farmacologista Wilbur Lincoln Scoville desenvolveu uma escala que funciona como um termômetro que indica a ardência da pimenta. Chamada de SHU (Unidade de Calor Scoville), ela indica o grau de ardor das pimentas através de testes bioquímicos em máquinas contendo líquidos de alta pressão. Ela varia de 0 a 16 milhões de Scovilles e para uma pimenta ser considerada como ardida ela precisa ter minimamente 100 mil SHU.

As seis pimentas mais ardidas do mundo

6º lugar: Malagueta

Muito comum na região Centro-Oeste do Brasil, mas também cultivada em Portugal, Angola, Moçambique e Cabo verde. Ela apresenta 190 mil SHU.

5º lugar: Cumari-do-Pará

Cultivada na Amazônia, essa pimenta chega a 210 mil SHU.

5º lugar: Murupi

Também encontrada no Amazonas, essa pimenta é consumida até no Pará. Tem 220 mil SHU.

3º lugar: Habanero

Famosa no México e no Caribe, essa pimenta chega aos 300 mil SHU.

2º lugar: Bhut Jolokia

Original da Índia, essa pimenta é extremamente forte. Seu valor de SHU chega a 1 milhão!

1º lugar: Trinidad Moruga Scorpion

Eleita pelo Guiness Book, a pimenta mais forte do mundo é originária de Trinidad e Tobago, tendo mais de 1,2 milhão de SHU.

Veja mais!