Publicado por Katharyne Bezerra

Vinte e um mil quilômetros quadrados. Esse é o tamanho do estado do Piauí, mas também é a quantidade de área desmatada no território brasileiro por ano, em consequência das derrubadas e dos incêndios. Apesar de ainda ser o segundo país com maior cobertura vegetal, ficando atrás apenas da Rússia, o Brasil está perdendo significativamente as suas áreas verdes.

Nas terras tupiniquins existem seis tipos de florestas: a mata atlântica, a caatinga, o cerrado, a mata de araucária, o pantanal e a floresta amazônica. Dessas, só a última ainda possui um grau mais elevado de preservação, porém, ainda assim é alvo de desmatamento. Perdendo 17% de toda a sua área, o que corresponde a 700 mil quilômetros quadrados, área que compreende os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

O desmatamento em todas as áreas verdes do Brasil

A mata atlântica foi a região que mais sofreu com o desmatamento. Por se encontrar no litoral do país, foi o primeiro lugar para a ocupação da sociedade no início da colonização, depois foi deteriorada nos processos de extração de ouro e pelas plantações de cana-de-açúcar e de café. Atualmente, a maior preocupação é a expansão urbana, que sem fiscalização são preenchidas por propriedades irregulares, o que causa diversos problemas ambientais e resultam no desmatamento. Da vegetação original, por exemplo, só restam 7%.

Desmatamento no Brasil: o verde perdendo espaço

Foto: Pixabay

Outra área bastante afetada pela ação do homem é o cerrado, que atualmente só resta 20% da sua formação original. De acordo com estudos feitos pela organização não-governamental Conservação Internacional, se o ritmo de desmatamento no Brasil for o mesmo essa área poderá ser extinta em 2030. E os causadores desse mal são a intensa urbanização na região e as atividades agropecuárias.

Quinhentos mil hectares é o valor devastado por ano da caatinga. Essa área teve sua vegetação reduzida pela metade devido o desmatamento, e a tendência é só piorar. Infelizmente, os homens não se deram conta que futuramente as consequências serão irreversíveis e os problemas gerados dessa falta de verde no território brasileiro só trará malefícios em grandes proporções.

Já na floresta amazônica, os estragos que a agropecuária está causando estão sendo em larga escala. Outro fator que desencadeia o desmatamento é a extração de madeira não legalizada. Segundo pesquisas do Ministério do Meio Ambiente, 80% da extração da madeira na Amazônia ocorrem de forma ilegal. Só em 2002, a área desmatada nessa região correspondia ao território francês.

Prejuízos causados pelo desmatamento

A preocupação desenfreada do homem com a lucratividade com produtos agropecuários, agrícolas e na expansão populacional pode causar sérias consequências ao meio ambiente e na sua própria qualidade de vida. Além de contribuir para o empobrecimento da biodiversidade, uma vez que retirando as árvores está destruindo o habitat de insetos, aves e outro animais, ajuda na concentração de gás carbônico na atmosfera, aumenta o risco de doenças e ameaça os mananciais.

Como reverter o processo de desmatamento

Primeiramente, é preciso estudar essa questão e refletir sobre a mesma. Além disso, se faz necessário melhorar a concepção ambiental e cobrar dos órgãos públicos leis e medidas que visem o controle do desmatamento.

Veja mais!