Publicado por Débora Silva

O chamado Despotismo Esclarecido foi uma forma de governar adotada pelos reis e desenvolvida a partir da segunda metade do século XVIII em nações europeias como a Prússia, Áustria, Espanha e Portugal. Os monarcas seguidores desta doutrina visavam acelerar o processo de modernização das nações, aumentando, assim, o seu poder e prestígio.

Despotismo Esclarecido

Foto: Reprodução

O contexto histórico

Até a expansão do Iluminismo com as suas ideias e ideais, acreditava-se que o rei era escolhido por Deus e, sem serem questionados, exerciam o seu poder de forma centralizada, absoluta, ou seja, todo o poder estava concentrado nas mãos do monarca.

O Iluminismo foi um movimento político, filosófico, social, econômico e cultural, que pregava o uso da razão sobre a visão teocêntrica (visão que permaneceu durante toda a Idade Média).

Desde o século XVII, as ideias dos iluministas se espalhavam por toda a Europa, influenciando alguns reis. Estes reis fizeram algumas reformas em seus reinos, adotando algumas ideias do Iluminismo (Ilustração) e, por isso, passaram a ser chamados de “déspotas esclarecidos” (“reis absolutos iluminados”).

Assim sendo, os déspotas esclarecidos governavam com algumas ideias provenientes da filosofia Iluminista, desde que não fossem contra a monarquia absolutista. Os monarcas desta doutrina continuaram a governar as suas nações de forma absolutista, ou seja, com a concentração do poder em suas mãos, mas adotaram algumas ideias do Iluminismo.

Eles tinham um discurso paternalista e contribuíram para o desenvolvimento cultural das suas nações.

Os principais déspotas esclarecidos

  • Frederico II da Prússia: Principal déspota esclarecido prussiano e o rei mais próximo dos filósofos iluministas, Frederico II aboliu as torturas, reformou o sistema penal, incentivou a produção cultural comercial e manufatureira, fundou escolas e declarou a tolerância religiosa, passando a aceitar todas as crenças religiosas.
  • Catarina II da Rússia: Estrangeira da Prússia, ao assumir a Rússia, Catarina II construiu escolas e hospitais, racionalizou e modernizou a administração pública, limitou a interferência da igreja e reformou e modernizou algumas cidades.
  • Marquês de Pombal: Conde português, ministro do rei D. José de Portugal, Marquês de Pombal deu início a reformas administrativas econômicas e sociais, desenvolveu o comércio colonial, fundou o banco real e expulsou os jesuítas das terras portuguesas (Portugal e suas colônias).
  • José II da Áustria: Imperador da Germânia, José II aboliu a tortura e a escravidão, fundou escolas, construiu hospitais, passou a cobrar impostos do clero e da nobreza (antes poupados) e permitiu a liberdade de culto de todas as crenças religiosas.

Veja mais!