Publicado por Robson Merieverton

Hoje em dia se ouve falar muito em inclusão. Mas, por acaso você sabe o que isso representa e como essa tal “inclusão” pode ser aplicada na prática? Segundo o dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, inclusão é o ato ou efeito de incluir indistintamente pessoas portadoras de necessidades especiais no processo educacional, laboral, lazer, entre outros.

Nesse sentido, pensando em evidenciar cada vez mais essa prática no dia-a-dia das pessoas, o dia 23 de fevereiro foi escolhido no calendário anual para marcar o Dia Nacional do Surdo-mudo.

É importante destacar que iniciativas como essas servem para educar as novas gerações a lidar com as diferenças, fazendo com que essas pessoas, que são portadoras de necessidades especiais, sejam tratadas de igual maneira.

Dia do Surdo: 23 de fevereiro

Foto: depositphotos

Nas escolas e entre as crianças de menor idade, a inclusão não é uma barreira. De fato, o preconceito aparece com o passar dos anos e a partir da falta de incentivo dos pais em relação a essas diferenças.

É importante lembrar que, nem todos os deficientes auditivos são mudos, visto que muitos têm voz e conseguem falar se forem estimulados por fonoaudiólogos. Desde os primeiros anos de vida, é bom que os pais fiquem sempre atentos ao desenvolvimento dos filhos, pois, se uma criança nasce com problemas de audição, é preciso estimulá-la desde cedo para que aprenda a falar.

A comunicação

Pode parecer um pouco complicado para quem não está habituado com a comunicação entre essas pessoas. Porém, existe uma forma fácil e objetiva para isso, conhecida a partir da Língua Brasileira de Sinais. Os sinais surgem da combinação de configurações de mão, movimentos e de pontos de articulação — locais no espaço ou no corpo onde os sinais são feitos também de expressões faciais e corporais.

Essa é uma das formas mais usadas no processo de inclusão, que vai desde a comunicação em casa, com a família, até o ambiente escolar. Também é importante ressaltar que todo o conteúdo trabalhado em sala de aula tem de estar acessível a essas pessoas portadoras de necessidades especiais. Além do mais, não é só de surdos-mudos que são formadas essas classes de pessoas. Para cada uma delas, por exemplo, exige um tipo diferente de adaptação.

Outra data

O dia 26 de setembro também é conhecido por fazer menção a Comunidade Surda Brasileira. Porém, diferente do dia 23 de fevereiro, este outro relembra as lutas históricas por melhores condições de vida, trabalho, educação, saúde, dignidade e cidadania.

A Federação Mundial dos Surdos celebra, internacionalmente, o Dia do Surdo, a cada 30 de setembro. No Brasil, foi tomado o dia 26 de setembro devido ao fato da data lembrar a inauguração da primeira escola para Surdos no país, no ano de 1857. Ela foi batizada de Instituto Nacional de Surdos Mudos do Rio de Janeiro. Atualmente ela é conhecida por Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines).

Veja mais!