Publicado por Robson Merieverton

Neste ano de 2016, o Estados Unidos está na corrida para escolher o presidente que substituirá o atual, Barack Obama. O pleito está marcado para acontecer no dia 8 de novembro.

Atualmente, os candidatos que se destacam na corrida são: Hillary Clinton pelo partido Democratas e Donald Trump representando o partido Republicano. Apesar da disputa acirrada, o processo é bem mais complicado do que se imagina. Esta será a 58ª eleição presidencial do país.

De acordo com a constituição vigente no país, para se candidatar à presidência dos Estados Unidos, é preciso ter nascido no país, viver lá por pelo menos 14 anos e ter a partir de 35 anos de idade.

Entenda como funciona as eleições americanas

Foto: depositphotos

No País, o voto não é obrigatório e segue o modelo de eleições indiretas, onde o povo não vota no candidato de forma direta. Na última eleição para presidente, em 2012, dos cerca de 300 milhões de habitantes do país, apenas 142,072 milhões de eleitores se registraram para votar.

Explicando o processo

As eleições americanas começam praticamente um ano antes da disputa de fato. Dois grandes partidos dividem a preferência dos delegados eleitorais: Democratas e Republicanos. O período eleitoral se inicia sem que exista um candidato.

Ele é escolhido pelos eleitores ao longo do processo. O primeiro passo é a realização das eleições primárias. No processo, o voto não vai direto para o pré-candidato, antes ele passa pelos delegados. Nessa fase, cada partido tem um jeito distinto de representar os eleitores.

É no primeiro grande comício televisionado, onde milhares de delegados participam, que acontece a convenção partidária. Ou seja, onde são votados cada pré-candidato que vai representar os Estados.

Outro objetivo da grande convenção é divulgar o nome dos candidatos vencedores. No mês de outubro, depois de serem escolhidos nas eleições primárias, os candidatos participam de três debates.

Após essa fase, o processo das eleições primárias é repetido nas eleições gerais, com a diferença na restrição dos delegados. Antes participavam todos. Agora, só 538 delegados tem o poder do voto. Novamente, quem venceu em um Estado ganha os delegados desta região.

Quanto ao segundo colocado no processo, mesmo recebendo grande quantidade de voto, não ganha nenhum delegado. O candidato é eleito quando conquista mais da metade dos votos dos 538 delegados.

Troca de farpas

Desde o início do processo, os pré-candidatos à presidência dos Estados Unidos usam de todas as artimanhas para conquistar popularidade e o voto dos delegados eleitorais. Desde as ideologias partidárias, até assuntos relacionados a opiniões particulares.

A presidência do país é um dos cargos mais influentes do mundo, pois é visto pela influência que exerce, sobretudo, na economia e política.

Sobre o atual presidente

Barack Obama é do partido Democratas e já está, por dois mandatos, à frente da Casa Branca. Seu mandato acaba, oficialmente, no dia 20 de janeiro de 2017. Na eleição presidencial de 2008, Obama derrotou o senador republicano John McCain, recebendo 52,9% dos votos populares e 68% dos votos do Colégio Eleitoral.

Seu segundo mandato começou no ano de 2012, depois que derrotou o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney, com 51,1% dos votos populares e 62% dos votos do Colégio Eleitoral.

Veja mais!