Publicado por Katharyne Bezerra

Comer muito rápido, tomar refrigerantes, mastigar chicletes etc., podem provocar a ocorrência de eructação, ou como é mais conhecido, o arroto. Esse evento é resultante da eliminação dos gases que estão localizados no estômago. Na maioria das vezes, é considerado uma falta de educação e pode até causar um certo constrangimento quando se está em público, mas se faz necessário atenção, pois as vezes esse fenômeno pode indicar alguma doença, sendo preciso o acompanhamento de um médico especialista.

Como ocorre o arroto?

Como já sabemos, a eructação se dá através da liberação dos gases que estão presos no estômago, provenientes da nossa mastigação ou da ingestão de bebidas gaseificadas. Essa substância tem três caminhos diferentes, uma parte dela é absolvida naturalmente pelo organismo, outra é expelida pelo arroto e a que não for eliminada por essa via, é levada para o intestino onde serão expulsados pelas flatulências, o famoso “pum”.

Todo mundo está sujeito a engolir essas substâncias, até mesmo os bebês. Esses, por sua vez, quando estão mamando ou quando choram, engolem grandes quantidades de gases, e como ainda não possuem um trato digestivo experiente, se não arrotarem, acabam tendo fortes cólicas ou vomitando. Sendo assim, se faz necessário que as mamães, ao terminar a amamentação ou para consolar o filho, façam massagens na barriga da criança.

Entendendo o arroto:  eructação que se dá através da liberação de gases

Foto: Reprodução/ internet

Já o barulho que vem junto com o ato de arrotar ocorre por causa do caminho que o ar faz no organismo até sair pela boca. Primeiramente, ele sobe do estômago e faz vibrar a válvula que fica entre o esôfago e a boca, já o volume do ruído vai depender da garganta, que funciona como uma caixa de som. Mas, isso não é uma regra, tendo em vista casos em que o arroto não faz barulho.

Problemas de saúde ligados a eructação

O arroto parece ser um simples acontecimento no cotidiano das pessoas, mas se é bastante frequente e acompanhado de outras sensações pode se tornar um pesadelo. Isso porque, a eructação também é um dos sintomas de diversas doenças que acometem o organismo humano, como hérnia de hiato, úlceras, síndrome do cólon irritado e refluxo gastroesofágico.

No caso da hérnia de hiato há uma instabilidade na musculatura de entrada no estômago, diminuindo o controle das saídas dos arrotos, provocando ainda mais esse fenômeno. Quando o assunto é úlcera, junto com a eructação vem a sensação de queimação entre o intervalo de uma refeição para outra e ainda uma dor abdominal bastante incômoda.

Já com relação a síndrome do cólon irritado, o estômago tem muita dificuldade de esvaziar e a pessoa em questão fica com a sensação de estufamento por longos períodos. Por fim, é importante destacar o refluxo gástrico, que acontece quando a comida e até o próprio suco gástrico retorna do estômago para o esôfago.

Recomendações para evitar o acúmulo de gases

  • Diminua ou elimine os chicletes ou as balas, a mastigação desses dois produtos aumentam a saliva e consequentemente a ingestão de gases;
  • Coma devagar, adicionando pouca comida de cada vez. Além disso, evite conversar na hora que está mastigando;
  • Diminua ou elimine de vez os refrigerantes ou as bebidas gaseificadas, elas aumentam a quantidade de gases no corpo;
  • Nunca force um arroto, essa prática só aumenta ainda mais a quantidade de gases no estômago;
  • Dê tapinhas nas costas dos bebês, isso vai ajudar na expulsão dos gases causadores de cólicas e vômitos.

Veja mais!