Publicado por Prof. Nathália Duque

Você sabia que o nosso corpo é formado por muitos ossos, de diferentes formas, tamanhos e espessura?  Sabia que o menor osso do corpo humano tem apenas milímetros? A palavra osso vem do latim ossu e é o nome dado para cada uma das partes de tecido rígido e duro que forma o esqueleto de todos os animais vertebrados, como o do homem.

Os ossos são extremamente importantes para sustentar o corpo, proteger órgãos essenciais, tais como o cérebro, o coração e os pulmões. Eles também produzem as células sanguíneas através da medula óssea, armazenam minerais como cálcio, sódio e fósforo e além disso, acumulam triglicerídeos (que são fonte de energia) nas células de gordura da medula óssea amarela.

Uma pessoa adulta apresenta cerca de 206 ossos formando todo seu esqueleto. Mas você acredita que a quantidade de ossos presentes num bebê recém nascido é bem maior? Isso acontece porque com o passar do tempo alguns ossos se unem, como os do quadril, das mãos, dos punhos e do crânio.

O crânio do bebê apresenta alguns ossos separados, formando as famosas “moleiras”. As moleiras formam pequenos espaços que permitem uma movimentação entre os ossinhos do crânio, o que facilita a passagem da cabeça do bebê durante o parto natural.

Qual seria o menor osso do corpo humano?

O menor osso do corpo humano se chama estribo. Ele se localiza na nossa orelha, mais especificamente na orelha média. É considerado um ossículo, pois é bem pequenino, medindo em torno de 2,5 milímetros de comprimento.

Orelha de uma mulher

O estribo é responsável pela audição (Foto: depositphotos)

O estribo juntamente com outros dois ossos, a bigorna e o martelo, são responsáveis pela audição humana.

O estribo recebeu esse nome devido sua semelhança com estribo utilizado para montar em cavalo.  O estribo das cavalarias é uma peça feita de aço que fica presa nas laterais da sela do animal, por um tipo de cinto de couro chamado loro, que dá apoio e impulsiona a pessoa ao montar.

Qual seria o maior osso que temos?

O fêmur é o maior osso do nosso corpo. Ele é longo, forte e resistente. É considerado o osso mais pesado do nosso corpo e localiza-se na coxa.

O fêmur é o osso mais duro do nosso corpo, pois ele possui uma camada externa, chamada de osso compacto, um pouco mais grossa que os outros ossos, evitando que ele se quebre com facilidade.

Veja também: Corpo humano: conheça os ossos dos membros superiores e inferiores

Funções dos ossos

Os nossos ossos possuem algumas funções importantes para o bom desenvolvimento do organismo. Muita das vezes nem nos damos conta de suas funções, pois elas acabam passando despercebidas. Veja abaixo as principais funções que os ossos desempenham:

Proteção

Um dos principais objetivos dos ossos do nosso corpo é proteção contra lesões ou choques. A nossa caixa torácica que fica na região do peito protege os órgão vitais, como por exemplo, o coração, os pulmões, o figado e os rins.

O nosso cérebro é protegido pela caixa craniana. O esqueleto também protege a nossa bexiga, assim como os órgãos reprodutores internos, como o útero das mulheres.

Sustentação

Os ossos do corpo humano servem para sustentar as partes moles do corpo, e também para segurar os músculos. Nós somos considerados vertebrados, devido a presença de coluna vertebral, que nos dá essa sustentação.

Os animais invertebrados, ou seja, sem coluna vertebral, são moles e rastejantes, pois não tem uma estrutura para seu sustento.

Locomoção

Os ossos nos permitem correr, pular, nadar, escrever, acariciar e brincar de modo geral. Graças a locomoção conseguimos praticar essas atividades que estão relacionadas aos membros do nosso corpo.

Os ossos que compõem nossas pernas, pés, joelhos, mãos, braços, etc, são fundamentais para a realização dessas tarefas simples.

Veja também: O universo dos animais vertebrados

Reserva de minerais

Os nossos ossos apresentam um outra função muito importante, a de armazenar alguns minerais. O cálcio, o sódio e o fósforo, ficam guardados no interior dos ossos e são transportados para todo o organismo.

O cálcio é um mineral muito importante, pois ele evita que os ossos se quebrem com facilidade. Além dos ossos, o cálcio compõem nossos dentes.

É muito comum as pessoas idosos sofrerem de uma doença chamada osteoporose. A osteoporose ocorre devido a falta de cálcio e isso faz com que essas pessoas tenham mais facilidade em terem seus ossos fraturados (quebrados). A osteoporose deixa os ossos repletos de poros, ficando mais frágeis e finos.

Hematopoiese

Parece um nome estranho, mas esse é o nome do processo em que ocorre a produção das células do nosso sangue.

A medula óssea existente dentro dos ossos é responsável pela formação das células sanguíneas, como os leucócitos (células que atuam na defesa do organismo), os eritrócitos (glóbulos vermelhos como as hemácias são responsáveis pelo transporte de oxigênio e gás carbônico no sangue) e as plaquetas (pedacinhos de células que ajudam na coagulação sanguínea).

Como o osso quebrado se regenera?

Quando quebramos um osso dizemos que aconteceu uma fratura. Durante a fratura o osso pode ser dividido em dois ou mais pedaços, causando muita dor.

Garoto com o braço engessado

Dor, hematoma e inchaços são sintomas de um osso quebrado (Foto: depositphotos)

Geralmente, as fraturas acontecem durante um acidente, uma queda, uma pancada ou devido a osteoporose, como já vimos anteriormente. As fraturas causam:

  • Dor forte
  • Inchaço no local da quebradura
  • Alteração no formato do osso
  • Impossibilidade total ou parcial de mexer o osso fraturado
  • Hematomas
  • Dormência e formigamento da área
  • Estralos

Dependendo do tipo de fratura, alguns ossos se regeneram mais rápido do que outros. A idade também é uma coisa importante, pois quanto mais velhinho, mais lento se torna esse processo.

Veja também: O dente é considerado um tipo de osso?

O osso é um tecido vivo e para que a regeneração aconteça é fundamental que sejam formadas novas células capazes de ligar uma quebradura à outra.

Normalmente quando quebramos algum osso é necessário engessá-lo, para proteger o local e evitar que ocorra novas lesões. O organismo começa então a preencher o local com cálcio e fosfato, dando novamente o formato do osso (remodelamento) e em alguns casos é necessário fazer fisioterapia para recuperar os movimentos do local.

*Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

NETO, AM Pinto et al. Consenso brasileiro de osteoporose 2002. Rev Bras Reumatol, v. 42, n. 6, p. 343-54, 2002.

BEDANI, Raquel; ROSSI, Elizeu Antonio. O consumo de cálcio e a osteoporose. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 26, n. 1, p. 3-14, 2005.

PINTO, Susana. A marcha humana em análise. Unidade de Neuromusculares, IMM–FM UL, 2007.

Veja mais!