Publicado por Katharyne Bezerra

Pare para pensar em um saboroso cachorro-quente, com bastante ketchup e maionese. E se agora vier a combinação perfeita de arroz com feijão? Melhor, se tomarmos aquele milkshake, com leite e chocolate? Hum… E então, deu para sentir a água na boca?

Bom, mas o que importa nesse artigo não é o sabor que essas comidas nos oferecem, e sim a mistura que seus elementos provocam. Falando nesse assunto, você sabe o que é mistura?

Afinal, o que é mistura?

Segundo o dicionário Aurélio, entre todos os significados que a palavra “mistura” possui, esta quer dizer a “união ou combinação de várias coisas”. Ou seja, o ato de misturar nada mais é do que juntar duas ou mais substâncias.

Podemos dizer também que a associação de elementos ocorre quando um deles se dissolve no outro. Porém, mistura não é apenas isso. Mesmo que haja uma fusão de substâncias e essas não consigam se unir em apenas uma, teremos uma mistura.

Sendo assim, se classifica como mistura a união ou não de elementos que estão em contato uns com os outros. Contudo, há uma divisão dessa situação, que leva o nome de homogênea e heterogênea.

Petróleo é um exemplo de mistura homogênea

Foto: Reprodução/ internet

Fases e a divisão de misturas

Toda mistura passa pelo processo chamado fase, umas apresentam mais de uma etapa, outras, no entanto, apresentam apenas uma. As fases são responsáveis pela divisão de misturas homogênea ou heterogênea, nesta última a união de elementos.

Neste artigo, poderemos entender melhor como se dá o processo das misturas homogêneas.

Misturas homogêneas

Ocorre quando há apenas uma fase na substância. Isso quer dizer que quando os elementos são colocados em contato uns com os outros e logo se mesclam, eles criam uma aparência neutra, não sendo possível a separação, nem mesmo com o auxílio de microscópios.

Por essa razão, essas misturas recebem o nome de monofásicos, uma vez que são misturas que apresentam uma única fase. São exemplos dessa união, as soluções:

  • Petróleo: Produto da união de elementos nitrogenados e sulfurados (derivados do nitrogênio e enxofre), oxigênio e matéria orgânica decomposta;
  • Aço: Resultado da mistura de ferro com carbono;
  • Ar atmosférico: Mistura de 78% de nitrogênio, 21% de oxigênio, 1% de argônio e mais outros gases, como o gás carbônico;
  • Gasolina: União de hidrocarbonetos, que por sua vez são a junção de carbonos e hidrogênios;
  • Soro caseiro: Quando o sal e o açúcar são dissolvidos na água;
  • Álcool hidratado: Mistura de 96% de álcool etílico mais 4% de água;

Outra característica desse tipo de união é que ela pode ser apresentada nos estados sólidos, líquidos e gasosos.

Sólido

Um exemplo dessa situação é a mistura de farinha de trigo e o amido de milho. Quando colocados juntos se torna impossível a distinção das fases, pelo menos a olho nu.

Líquido – Sólido

É só lembrar do caso dos grãos de café na água. Ao ficarem juntos, ambos passam apenas por uma fase e logo adquirem uma só característica. Sendo impossível a separação dos elementos.

Líquido – Líquido

Observa-se como exemplo a mistura de água e álcool, que se colocados em contato um com o outro não há alteração visível.

Líquido – Gás

Um mistura homogênea entre um líquido e um gás é muito difícil de ser obtida. Porém, existem gases dissolvidos na água da torneira, como o oxigênio, que são liberados sem serem percebidos.

Gás – Gás

A fase mais natural, em que há tranquilamente a mistura dos elementos. Isso porque, os gases ocupam o volume dos recipientes em que estão contidos e assim se misturam em livres expansões.

Veja mais!