Publicado por Prof. Luana Polon

Hoje é muito difícil encontrar no planeta Terra lugares que ainda não tenham sofrido interferências dos seres humanos, seja de forma direta ou indireta. O ambiente natural vem sendo transformado em um ambiente modificado pela ação humana.

O ambiente físico, formado pelo relevo, pela vegetação, pelos solos e condições climáticas, é o que normalmente concebe-se como meio ambiente.

Este meio ambiente pode ou não ter sido modificado pelos seres humanos, constituindo uma paisagem natural ou uma paisagem artificial.

Paisagens naturais e paisagens artificiais

Na geografia, entende-se como paisagem a visão de um determinado recorte espacial e temporal. Ou seja, tudo aquilo o que o observador consegue perceber em um momento de tempo e em um dado lugar.

Árvores e desmatamento

O desmatamento é um tipo de intervenção humana no ambiente natural  (Foto: depositphotos)

É como se fosse uma fotografia, que registra as condições de um local específico naquele momento.

Portanto, a paisagem muda a todo momento. Quando se viaja para uma praia em um ano, e volta-se para esta mesma praia alguns anos depois, logo percebe-se que o ambiente não é mais o mesmo, a paisagem já mudou. A paisagem pode levar anos para mudar, mas pode mudar em questão de minutos também.

A paisagem pode ser natural, quando não sofreu interferências humanas, é um ambiente formado por elementos da natureza, como árvores, plantas diversas, animais, solos, formas do relevo, etc.

E a paisagem pode ser também artificial, quando sofreu pelas ações humanas, composta por estradas, moradias ou comércios, postes de eletricidade, dentre outros elementos.

A mudança do ambiente natural

Com o passar dos anos, o número de pessoas no mundo foi crescendo e estas pessoas foram se aglomerando nos espaços urbanos.

Com isso, houve uma intensificação da ação humana na natureza, acelerando o ritmo das modificações. As pessoas começaram a construir mais casas, comércios, indústrias, estradas, locais para diversão, escolas, etc.

Parte da natureza foi destruída para abrir espaços para as construções que modificaram o ambiente. Houve uma profunda mudança nas relações sociais e nas atividades humanas, e os espaços naturais foram se tornando cada vez mais escassos.

Hoje, praticamente todos os lugares do mundo sofrem com a ação humana direta (construções, por exemplo) ou indireta (poluição, por exemplo).

Recursos Naturais

Como recursos naturais, entendem-se os elementos provenientes da natureza e que são utilizados nas diversas atividades humanas.

São basicamente três categorias de recursos naturais existentes:

  • Recursos naturais renováveis: são aqueles que apesar de utilizados pelos seres humanos, são regenerados pela natureza. Ou seja, o ritmo de regeneração da natureza é maior do que a intensidade de uso dos seres humanos. São exemplos: os solos, alguns tipos de madeiras, plantas, a água
  • Recursos naturais não-renováveis: são aqueles que existem em quantidade limitada ou que a natureza não recompõe, ou ainda, cuja regeneração é mais lenta do que o ritmo de uso humano. São exemplos: carvão mineral, petróleo, gás natural
  • Recursos naturais inesgotáveis: são aqueles que apesar do uso intenso, não acabam. São exemplos: o vento, a luz solar.

Crescimento Populacional

Há uma relação direta entre a transição do ambiente natural ou ambiente modificado. A população foi crescendo ao longo do tempo, e naturalmente surgiram alguns problemas por causa disso.

A população mundial continua em crescimento, e estimativas alegam que o mundo chegará aos 9 bilhões de habitantes em 2050. Apesar de haver espaço para todas estas pessoas, há uma concentração populacional nas principais cidades do mundo.

Alguns dos principais problemas socioambientais relacionados ao crescimento da população mundial são:

  • Destruição da camada de ozônio: o que favorece o aumento de doenças como o câncer e as doenças respiratórias, pela elevada radiação solar e mudanças climáticas
  • Derretimento das geleiras: aumentando as águas dos mares e oceanos, podendo causar sérios problemas nas costas dos continentes
  • Inchaço urbano: que causa congestionamentos, marginalização das camadas mais pobres da sociedade (habitação em áreas periféricas)
  • Aumento de todos os tipos de poluição: incluindo o lixo e outros.

Qualidade de vida

Com o inchaço urbano, há um processo de valorização das áreas centrais das cidades, “empurrando” as pessoas mais pobres para as áreas periféricas.

Estas áreas, que podem ser favelas, não apresentam condições dignas de moradia. Não têm saneamento básico, nem sempre há água tratada, o que pode ocasionar várias doenças.

Com o processo de urbanização acelerado, muitas pessoas estão deixando os espaços rurais (campo) e migrando para as cidades em busca de trabalho e melhoria nas condições de vida.

Hoje, cerca de 54% da população mundial vive em cidades. As estimativas mostram que em 2050, serão cerca de 66% das pessoas nos espaços urbanos do mundo.

Estas cidades nem sempre estão aptas, com infraestrutura e serviços básicos, para atender toda essa população. Além disso, pode haver um desequilíbrio em relação a produção de alimentos (legumes, verduras, frutas), por conta das pessoas que estarão deixando o campo.

As cidades trazem muitos confortos para as pessoas, como o acesso aos bens culturais (cinema, teatro, espaços de lazer), a facilidade de ir a um supermercado ou farmácia, bem como aos serviços de saúde (hospitais, clínicas, etc.).

No entanto, viver em uma cidade não é garantia de qualidade de vida. Muitas cidades estão com o ar poluído, e os moradores sofrem com problemas respiratórios. As cidades podem ter problemas como intenso trânsito e criminalidade.

Conclusão

O ambiente natural é hoje quase um privilégio! Isso porque o mundo está cada vez mais modificado pela ação humana.

As paisagens naturais são raras e constantemente dão espaço às paisagens artificiais. Conforme a população mundial cresce, aumenta o número de pessoas vivendo nas cidades e intensificam-se as atividades produtivas.

Com isso, o mundo vai ficando a cada dia mais alterado, e os espaços de natureza original vão sumindo. Os seres humanos modificam a natureza de forma direta, quando constroem infraestruturas, e de forma indireta, quando suas ações impactam mesmo espaços mais distantes, como é o caso da poluição.

Assim, as atividades desenvolvidas num dado ponto do globo, podem gerar consequências para lugares distantes geograficamente, embora de forma indireta.

*Luana Polon é Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).

Referências

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. “IBGE Cidades“. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em 4 dezembro 2018.

CENTRO REGIONAL DE INFORMAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. “Relatório da ONU mostra população mundial cada vez mais urbanizada, mais de metade vive em zonas urbanizadas ao que se podem juntar 2,5 mil milhões em 2050“. Disponível em: https://www.unric.org/pt/actualidade/31537-relatorio-da-onu-mostra-populacao-mundial-cada-vez-mais-urbanizada-mais-de-metade-vive-em-zonas-urbanizadas-ao-que-se-podem-juntar-25-mil-milhoes-em-2050. Acesso em 4 dezembro 2018.

Veja mais!