Publicado por Katharyne Bezerra

“Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.”

Esta é uma estrofe da poesia “As sem-razões do amor”, de Carlos Drummond de Andrade. Um dos tantos nomes da poesia brasileira na segunda fase do Modernismo. No entanto, o mundo literário do Brasil não se resume a este período. A poesia é repleta de nomes que construíram a literatura brasileira.

Portanto, almejando homenagear os artistas que se dedicaram a este trabalho e aos que estão com produções atuais, foi instalado no Brasil o Dia Nacional da Poesia, marcado no dia 31 de outubro.

O Dia Nacional da Poesia: 31 de outubro

Foto: depositphotos

Como surgiu esta data?

De acordo com o Portal Brasil, site oficial do governo federal, o Dia Nacional da Poesia era comemorado desde 1977, no dia 14 de março. Tratava-se de uma homenagem ao poeta Antônio Frederico de Castro Alves, muito conhecido pela obra “Os Escravos” (1883).

Porém, esta data foi apenas sugerida pelo deputado federal João Alves. Isto significa dizer que não foi oficializada e nem passou por aprovação no Congresso. Mesmo assim, muitas pessoas preparam comemorações para este dia.

No entanto, a Lei 13.131/2015, que estabelece uma data para o Dia Nacional da Poesia, foi apresentada pelo senador Álvaro Dias e sancionada pela presidente da época, Dilma Rousseff. O conteúdo da matéria coloca a data oficial para o dia 31 de outubro, em homenagem ao nascimento do poeta Carlos Drummond de Andrade.

Além de homenagear este poeta e todos os demais que fazem parte da literatura brasileira, esta data serve ainda para estimular a leitura de poesias em escolas e demais locais. A proposta é que as instituições de ensino provoquem nos alunos o apreço por este estilo de escrita.

Poesia: definição, características e autores

Para o dicionário Aurélio, poesia é a “arte de escrever em verso; composição poética de pequena extensão; entusiasmo criador; inspiração; aquilo que desperta o sentimento do belo; o que há de elevado ou comovente nas pessoas ou nas coisas; encanto, graça, atrativo”.

Trata-se de um gênero literário lírico, com características bem específicas que as diferenciam dos demais tipos. Um dos pontos que serve como partida para esta diferenciação é com relação a estrutura da poesia, que não se escreve em linhas corridas, mas sim em versos.

O conjunto de versos forma uma estrofe. Dependendo de quantos versos forem escritos, a poesia recebe um nome diferente. É possível ainda, perceber a presença de rimas, mas isto não é uma regra.

Exemplos de poesia

Coração

O coração é o colibri dourado
Das veigas puras do jardim do céu.
Um – tem o mel da granadilha agreste,
Bebe os perfumes, que a bonina deu.

O outro – voa em mais virentes balças,
Pousa de um riso na rubente flor.
Vive do mel – a que se chama “crenças”,
Vive do aroma – que se diz “amor”.

[Castro Alves]

 

A Perfeição

O que me tranquiliza
é que tudo o que existe,
existe com uma precisão absoluta.
O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete
não transborda nem uma fração de milímetro
além do tamanho de uma cabeça de alfinete.
Tudo o que existe é de uma grande exatidão.
Pena é que a maior parte do que existe
com essa exatidão
nos é tecnicamente invisível.
O bom é que a verdade chega a nós
como um sentido secreto das coisas.
Nós terminamos adivinhando, confusos,
a perfeição.

[Clarice Lispector]

 

A cachorrinha

Mas que amor de cachorrinha!
Mas que amor de cachorrinha!Pode haver coisa no mundo
Mais branca, mais bonitinha
Do que a tua barriguinha
Crivada de mamiquinha?

Pode haver coisa no mundo
Mais travessa, mais tontinha
Que esse amor de cachorrinha
Quando vem fazer festinha
Remexendo a traseirinha?

[Vinícius de Moraes]

Veja mais!