Publicado por Nayla Georgia

A imigração no Brasil teve grande importância na formação do país para como ele é hoje. Imigrar é o ato de entrar em um país que não é o seu de origem para morar e, desde o início da colonização, nosso país recebe pessoas que vêm dos quatro cantos do mundo. Entenda melhor como esse processo se desenvolveu no Brasil a seguir.

Período de colonização

Foi durante os primeiros anos da colonização do Brasil pelos portugueses no início do século XVI que os processos de imigração começaram. Bastou os países europeus ficarem sabendo da “descoberta” do Brasil que logo se interessaram em vir explorar a nova terra. No século XVIII o país, que era colônia de Portugal, foi ameaçado de ser invadido pelos espanhóis. Assim, a imigração passou a ser incentivada pela Coroa Portuguesa como uma forma de proteção e ocupação do território, já que poderiam, finalmente, explorar mais áreas e controlar melhor as fronteiras da terra.

Para atrair os povos a imigrarem para o Brasil, a Coroa Portuguesa oferecia todos os recursos. Viagem sem custos, alimentos, terras, armas, gado, cavalos e ferramentas foram dadas para que os povos portugueses viessem povoar a área colonizada. Mas nem tudo foram flores…

Imagem de trem durante a imigração no Brasil

Foto: Arquivo/ Reprodução Site da Alesp

Imigração forçada

Ainda no período colonial houve a imigração forçada de negro-africanos para que servissem como mão de obra escrava para a colônia. Mais de 5 milhões de negros foram retirados de seus lares na África para serem escravos aqui sob condições inumanas. Em 1850, os ingleses pressionaram o governo para a libertação dos escravos e, alguns anos depois (1888) a escravidão foi abolida.

Mão de obra barata

Já que não poderiam mais escravizar o negro, o governo precisou desesperadamente de mão de obra que fosse barata. A recusa de assalariar e dar condições dignas aos ex-escravos culminou a grande imigração de pessoas no período de 1850 a 1934. Vieram mais portugueses – que se alojaram, principalmente, no Rio de Janeiro e São Paulo; alemães, que se alojaram, em sua maioria, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro; italianos – que fixaram-se, principalmente, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo; espanhóis, que se instalaram, em maior número, em Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Paraná; sírios e libaneses, que ficaram no Amazonas, Acre, Ceará, Pará e São Paulo; e os japoneses, que se alojaram em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Pará e Paraná, em sua grande maioria. Cada um desses povos se especializou em uma atividade, do cultivo do café ao desenvolvimento das primeiras indústrias no país.

Cultura mista

Com a grande diversidade de povos que chegaram às terras brasileiras a nossa cultura foi enriquecendo com os costumes de cada um deles. Se antes a cultura dos povos nativos (índios) foi desmerecida pelos colonizadores portugueses, que impuseram sua cultura europeia, os movimentos migratórios trouxeram ainda mais elementos diferentes para dividir culturalmente. É por isso que, hoje, o Brasil é um país multicultural e rico em diversidade.

Veja mais!