Publicado por Prof. Nathália Duque

Sem os órgãos dos sentidos nada seríamos. São eles que nos permitem enxergar, ouvir, saborear o alimento, sentir os cheiros agradáveis e também os desagradáveis, além de nos permitir sentir tudo aquilo que toque nossa pele.

Os órgãos dos sentidos são extensões do sistema nervoso cheios de sensores que capturam diferentes estímulos internos e externos e os enviam ao cérebro na forma de impulsos nervosos. Esses impulsos chegam até uma região chamada córtex cerebral, onde cada sentido possui uma área correspondente, que interpreta as sensações.

Graças aos órgãos dos sentidos os animais são capazes de relacionar-se com os ambientes externos e internos do corpo. É possível distinguir estímulos sonoros, luminosos, odoríferos (cheiro), gustativos e dolorosos.

A sensibilidade que permite identificar todas essas variações deve-se à múltipla variedade de neurônios presentes no cérebro. Sendo assim, cada um reage de forma diferente quando estimulado.

Vetor dos órgãos do sentido

O corpo humano possui 5 sentidos: paladar, visão, olfato, tato e audição (Foto: depositphotos)

Na percepção dos sentidos atuam neurônios receptores, condutores e transformadores. O conjunto de receptores responsáveis pelas funções de relação é também chamado de sistema sensorial.

Os órgãos dos sentidos e sua importância

Temos cinco sentidos: a visão, a audição, o paladar (ou gustação), o olfato e o tato. Eles são super importantes, pois permitem que o indivíduo tenha consciência do ambiente e assegure a própria sobrevivência, reagindo a imagens de perigo e sons de advertência ou sensações de fome, dor e sono.

Antes de chegarem ao cérebro, os estímulos (imagens, sons, odores, sabores, calor, frio, entre outros) são convertidos em impulsos nervosos por receptores sensoriais. Receptores sensoriais são células nervosas especializadas presentes nos próprios órgãos dos sentidos.

Nem todos os impulsos sensoriais, porém, chegam ao cérebro. Alguns podem terminar na medula espinal, gerando uma resposta motora reflexa (automática).

Esse mecanismo proporciona reações instantâneas a estímulos potencialmente perigosos, como retrair os músculos do braço no momento de uma queimadura na mão.

Visão

Um dos sentidos que mais usamos é a visão, é ela que nos faz enxergar tudo que está a nossa volta. O que contribui para isso é ter os olhos saudáveis e ter luz no ambiente, no escuro fica difícil de enxergar alguma coisa.

Para manter a saúde dos olhos devemos tomar algumas precauções, como não colocar as mãos neles, ler em locais bem iluminados, não assistir televisão no escuro, não olhar direto para o sol e não coçar nem esfregar os olhos.

Veja também: Como funciona o sentido da visão nos invertebrados

Alguns defeitos da visão

Vista cansada ou presbiopia: com a idade, o cristalino perde a capacidade de acomodação, dificultando a focalização de objetos próximos. Essa dificuldade pode ser corrigida com lentes convergentes.

Miopia: ocorre quando o globo ocular é mais longo que o normal. Em consequência, a imagem é focalizada antes da retina. O míope tem dificuldade de enxergar de longe. A correção dessa dificuldade pode ser feita com lentes divergentes. A hipermetropia é o inverso da miopia.

Astigmatismo: a curvatura defeituosa da córnea direciona os raios luminosos de maneira desigual, fazendo com que as imagens refletidas fiquem fora de foco. A correção dessa dificuldade pode ser feita com lentes luminosas.

Daltonismo: incapacidade de identificar as cores, devido a uma deficiência genética. A dificuldade maior está nas cores vermelho e verde.

Audição

A audição nos permite ouvir todos os sons do ambiente a nossa volta. Os ouvidos são muito sensíveis e devem ser limpos com cuidado.

Algumas precauções devem ser tomadas. Não se pode colocar objetos pontiagudos nas cavidades das orelhas, pois pode perfurar o tímpano, ocasionando perda parcial da audição ou até mesmo surdez. Deve-se limpar os ouvidos durante o banho com água e sabão e também com o uso de cotonetes.

O ouvido que é o órgão receptor da audição, divide-se em três regiões: ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno. É no ouvido médio que podemos encontrar o menor osso do corpo humano, o estribo.

Além do sentido da audição, a orelha é responsável pelas sensações de orientação espacial e equilíbrio do corpo, numa região chamada de labirinto.

Paladar ou gustação

O órgão do paladar é a língua, pois é ela que nos permite sentir o gosto dos alimentos. Ela nos permite sentir se o alimento é doce, salgado, azedo ou amargo. Nossa língua é composta por partes diferentes, que contêm células que identificam esses sabores.

Os sabores e suas variações, bem como informações sobre a textura e temperatura dos alimentos, são transmitidos ao cérebro pela ação de receptores localizados na língua. Essas estruturas sensitivas estão agrupadas e são chamadas de papilas gustativas.

As papilas se localizam na superfície da língua e em menor quantidade em outras partes da boca.

Olfato

Olfato é o sentido que nos permite sentir o cheiro ou aroma das coisas. O nariz é o principal responsável por isso. Dentro do nariz encontramos pequenos pelos que filtram o ar que respiramos, deixando a poeira por ali mesmo.

Essas impurezas que são eliminadas se juntam a algumas substâncias que o nariz libera, formando a meleca de nariz. E quando está muito frio é o nariz que filtra o ar e o esquenta para levá-lo aquecido ao pulmão.

Para cuidar e limpar o nariz é preciso lavá-lo na pia do banheiro, somente com o uso de água ou soro fisiológico. Graças ao olfato os animais podem localizar o odor dos alimentos, dos parceiros sexuais, dos predadores a distância, etc.

Tato

O tato nos permite sentir as texturas das coisas. Podemos sentir a temperatura dos alimentos, se um objeto é duro ou macio, leve ou pesado, pontiagudo ou liso e muitas outras sensações.

É a pele que mantem nosso corpo protegido, impedindo que a poeira, água e bactérias entrem em nosso organismo. Precisamos lembrar-nos de sempre proteger nossa pele do sol, com o protetor solar e também evitar uma longa exposição ao mesmo.

Os principais órgãos responsáveis pelo tato são a pele e as mucosas. Tanto a pele quanto as mucosas são dotadas de corpúsculos sensoriais, responsáveis pela percepção de calor, frio, dor e pressão.

Veja também: Tato: o que é, como funciona e curiosidades

O sexto sentido

Como vimos, os sentidos são apenas cinco. O chamado sexto sentido seria uma capacidade extrassensorial que algumas pessoas afirmam ter que pode ser manifestada de diversas maneiras.

Quem possui o sexto sentido desenvolvido normalmente sonha com alta frequência, tem capacidade de pressentir as coisas, apresenta uma intuição bem forte, ouve vozes estranhas e normalmente são indivíduos que preferem viver de modo solitário, longe do tumulto.

Referências

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Artmed Editora, 2009.

VIDAL, Ruth Maria Bonfim; MELO, Rute Claudino. A química dos sentidos–uma proposta metodológica. Química Nova na Escola, v. 35, n. 1, p. 182-188, 2013.

Veja mais!