Publicado por Prof. Nathália Duque

O paladar é um dos cinco sentidos que os seres humanos possuem. E todos eles são responsáveis por nos ligar ao mundo externo e fazer com que nós percebamos e conheçamos o ambiente ao nosso redor. Além do paladar, temos: visão, audição, tato e olfato.

Os sentidos são muito importantes, pois o nosso sistema sensorial recebe estímulos que são transmitidos ao nosso cérebro, sendo interpretados e transformados em sensações.

Os estímulos de som, calor, pressão, sabor, cor e entre outros, chegam até nosso cérebro através dos impulsos nervosos. Mas agora nós iremos focar em um dos sentidos: o paladar.

Paladar

Esse sentido nos permite sentir o sabor daquilo que levamos à nossa boca. Através do contato com a língua, nosso paladar nos ajuda a distinguir sabores de um sorvete gostoso, de uma fruta azeda e até mesmo de coisas que nós não podemos comer, como terra.

Menino comendo

O paladar é um dos cinco sentidos dos seres humanos (Foto: depositphotos)

Se você fechar os olhos e alguém te fizer beber um copo de água, e depois um copo de suco, você saberia dizer a diferença entre os dois? Certamente a primeira coisa que diria é que eles possuem sabores diferentes, e você só sabe disso por causa do seu paladar.

Como o paladar é definido?

A maioria das pessoas acha que o paladar é definido apenas pelo gosto dos alimentos, que é sentido no contato destes com a língua. Porém, quem pensa assim está equivocado. Isso porque, outros critérios também ajudam a definir o paladar, como a consistência e o cheiro.

A função da língua

Mas não se pode negar que, apesar do paladar não ser algo restrito à língua, ela é o principal órgão desse sentido.

A parte de cima da língua é formada por papilas gustativas, que são células sensoriais capazes de captar o sabor dos alimentos. As papilas gustativas não são encontradas apenas na língua, mas no palato, na laringe, na faringe e na epiglote.

Assim, a língua consegue especificar e distinguir os cinco tipos de sabores básicos: doce, salgado, azedo, amargo e umami. Também são encontradas papilas gustativas nas patas de certos insetos e nos tentáculos do polvo.

As papilas gustativas são exemplos de quimiorreceptores relacionados com o paladar ou gustação. Para que o gosto dos alimentos sejam percebidos pelas papilas gustativas, as substâncias químicas precisam ser solúveis nos líquidos da boca.

A língua também é muito sensível à temperatura. Dizem os cientistas que o alimento estar quente ou frio irá influenciar no sabor que nossa língua irá capturar.

Por exemplo, quando mais fria a comida, mais conseguimos sentir o sal, e quanto mais quente, mais sentimos o doce. Com isso, podemos explicar por que o chocolate em temperatura ambiente aparenta ser mais doce que o chocolate guardado na geladeira.

Cuidado!

Durante muito tempo acreditou-se que havia uma parte da língua específica para sentir cada tipo de sabor, como por exemplo, na ponta sentíamos o doce, nas laterais o salgado.

Hoje esta ideia não é mais aceita, e os cientistas defendem que em qualquer região da língua é possível identificar todos esses tipos de sabores. Pois os receptores para diferentes sabores estão distribuídos aleatoriamente por toda a região.

Qual a relação do paladar com a gripe?

Essa pergunta pode ser um pouco estranha num primeiro momento, porém, é comum quando estamos gripados perdermos cerca de 80% da sensibilidade do sabor daquilo que comemos.

Sendo assim, quase não sentimos o gosto dos alimentos quando estamos gripados, resfriados ou simplesmente com o nariz entupido. Isso acontece porque o olfato também está intimamente relacionado com sabor dos alimentos.

Quando mastigamos, o alimento libera odores e esses odores interagem com o sabor dos alimentos através do paladar. Podemos afirmar que a maior parte do sabor dos alimentos vêm do olfato e não do paladar.

As doenças e o paladar

As principais doenças que afetam o paladar são aquelas relacionadas com o nosso sistema respiratório ou com a região bucal, mais especificamente a língua. As principais são:

  • Gripe
  • Resfriado
  • Sinusite
  • Faringite
  • Pólipos nasais
  • Infecções oronasais
  • Infecções nas glândulas salivares
  • Hipofunção das glândulas salivares

O fumo também pode tirar a sensibilidade e consequentemente, o gosto dos alimentos. O cigarro provoca danos e lesões nas papilas gustativas e o indivíduo quase não sente o sabor dos alimentos.

Quando a pessoa perde completamente o paladar é chamado de ageusia. A perda parcial do mesmo é denominado hipogeusia.

Gosto amargo na boca

Algumas vezes as pessoas reclamam de sentirem a boca amargar. Isso pode acontecer por alguns motivos, tais como: presença de cárie nos dentes ou inflamações na própria boca, doenças do fígado, uso de medicamentos, alterações hormonais durante a gestação, entre outras.

Curiosidades sobre o paladar

  • As nossas papilas gustativas se regeneram constantemente
  • O nosso paladar varia de acordo com a idade
  • Crianças possuem um número maior de papilas gustativas do que um adulto
  • É possível perder o paladar
  • Um novo tipo de sabor foi descoberto, o umami. Esse sabor está relacionado aos alimentos industrializados
  • Existem muitas bactérias em nossa boca, cerca de 700. A maior parte está na língua
  • A língua da baleia azul pode pesar cerca de 91 quilos
  • O paladar pode ser definido com a junção do cheiro com o sabor dos alimentos.

Os cinco sentidos

De acordo com o tipo de sensor, determinada informação será traduzida pelo nosso cérebro e isso ocorre muito rápido, quase que instantaneamente. Conheça um pouco sobre cada um dos cinco sentidos!

  • Visão: existem células fotossensíveis que captam os raios luminosos e assim, podemos enxergar as cores e o mundo que nos cerca de modo geral
  • Audição: nossos ouvidos captam as ondas sonoras e as converte em impulsos nervosos enviados ao cérebro
  • Olfato: informações referentes aos odores são captados por sensores do epitélio olfatório
  • Tato: na nossa pele existem terminações nervosas que captam sensações como temperatura e dor
  • Paladar: receptores gustatórios captam os diferentes sabores existentes.

*Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

NETO, FP et al. “Anormalidades sensoriais: olfação e palato“. Int Arch Otorhinolaryngol , v. 15, p. 350-8, 2011.

CALDAS, Ada Salvetti Cavalcanti; FACUNDES, Vera Lúcia Dutra; DA SILVA, Hilton Justino. “Reabilitação das funções do olfato e do paladar em laringectomizados totais: Revisão Sistemática“. Revista CEFAC, v. 14, n. 2, 2012.

NETTO, Cincinato Rodrigues Silva. “Paladar: gosto, olfato, tato e temperatura: fisiologia e fisiopatologia“. Funpec, 2007.

Veja mais!