Publicado por André Luiz Melo

Indispensável para a sobrevivência de qualquer ser humano, o sangue é um tecido dotado de funções extremamente importantes, como a condução de nutrientes e de oxigênio, além do combate a micro-organismos patogênicos e a coagulação sanguínea. No caso da coagulação, as plaquetas são os elementos responsáveis por esse processo.

Chamadas ainda de trombócitos, as plaquetas são denominadas de fragmentos de células, especificamente são partes de um sistema celular chamado megacariócito, localizado na medula óssea. O formato dessas células é discoide e as mesmas são desprovidas de núcleo. Minúsculas, tais células possuem diâmetro que corresponde a 0,00026 cm.

Fragmentos em movimento

Produzidas em média 100 bilhões de plaquetas por dia no organismo humano, depois de formados esses fragmentos ficam localizados na corrente sanguínea por cerca de sete dias. Passado esse tempo, tais plaquetas saem de circulação e são conduzidas ao fígado e baço, locais onde as mesmas são destruídas.

Com circulação inativa pela corrente sanguínea, as plaquetas somente são ativadas, por exemplo, quando necessário conter algum tipo de hemorragia. Nesses casos, as plaquetas agem de forma a se agregarem e agilizarem o processo de formação do coágulo. Por isso as plaquetas são consideradas essenciais na coagulação sanguínea.

Plaquetas

Foto: Reprodução

Estoque de plaquetas

Em geral, em um ser humano adulto e saudável, são encontradas em média de 150 mil até 500 mil plaquetas por microlitro de sangue. Em situações que o nível de plaquetas caiu além do normal, esse processo é chamado de trombocitopenia.

Por outro lado, quando há uma considerável elevação do nível de plaquetas sanguíneas, há o que se chama de trombocitose. Tanto o primeiro como o segundo caso são considerados graves. No inicial pode haver hemorragia, enquanto que no posterior uma trombose.

Organismos afetados pela dengue, doença provocada por um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, pode haver uma redução significativa das plaquetas sanguíneas. Nesses casos é quando pode ocorrer o surgimento da dengue hemorrágica.

Importante!

Pacientes com baixa quantidade de plaquetas no sangue podem recorrer ao processo de transfusão de plaquetas. Essa técnica favorece a prevenção ao aparecimento de casos de hemorragias nesses pacientes deficitários de plaquetas.

Veja mais!