Publicado por Tailane Paulino

Esse post é direcionado à poesia infantil. Nele você vai conferir 18 exemplos para encantar as crianças. Confira a seguir.

A poesia é uma forma prazerosa de leitura e quando se trata dos textos voltados para o público infantil elas também servem como uma forma de aprendizado, que pode ser não apenas sobre valores importantes, como também sobre animais e objetos. 

Isso acontece porque, por meio da escrita, geralmente feita em verso, são estimuladas a imaginação, criatividade e linguagem das crianças. Sendo assim, garante uma melhor capacidade de compreensão da linguagem no futuro.

Por causa disso separamos vários exemplos de poesias infantis, que usam palavras curtas e simples. Tudo isso para ensinar as crianças sobre os animais e amizade e que acima de tudo servirão como uma interação e diversão para toda a família.

Qual a importância da poesia infantil?

O uso de poesia infantil é de extrema importância para o desenvolvimento na infância. Não apenas no processo de alfabetização, como também para estimular o hábito de leituras nas crianças. E se engana quem pensa que apenas crianças mais velhas recebem os benefícios, os pequeninos gostam de ouvir a sonoridade das palavras rimadas.

Menino lendo livro

Através da leitura, as crianças podem melhorar o vocabulário (Foto: depositphotos)

Desse modo, um dos principais benefícios da poesia infantil é ensinar o vocabulário para as crianças. Este tipo de literatura usa muito da sonoridade das palavras, sendo mais fácil para as crianças aprenderem e fixarem o conteúdo.

Outro benefício importante é que os poemas estimulam a criatividade, já que mexem com a imaginação. Além disso, ler poesias para as crianças pode ser uma ótima forma de exercitar a memória delas.

Isso se deve ao fato de que os versos são mais fáceis de serem lembrados por eles. Especialmente quando os pais trabalham de forma mais animada ao lerem o conteúdo.

Os poemas infantis também são uma ótima forma de transmitir valores essenciais ainda na infância. Isso porque muitos deles tratam de temas como amizade, respeito e gentileza de forma simples. Fazendo com que as crianças entendam o que quer ser passado.

Por fim, estimular a leitura de poemas em voz alta ajuda a melhorar a dicção e oralidade, estimulando uma melhor sociabilização. Principalmente quando se trata do ambiente escolar.

Veja tambémBenefícios da leitura

Poemas infantis famosos

Existem diversos poetas brasileiros que se dedicaram a escrever e encantar as crianças. Uma das mais famosas é a poetisa Cecília Meireles, que possui diversos livros voltados ao público infantil.

Separamos aqui vários poemas que podem ser lidos pelas crianças ou para elas. Todos eles usam uma linguagem simples e uma narrativa em verso para estimular o gosto das palavras. Confira as principais poesias infantis, com rimas, curtas e sobre amizade escritas por autores brasileiros.

1- O menino azul, de Cecília Meireles

O menino quer um burrinho
para passear.
Um burrinho manso,
que não corra nem pule,
mas que saiba conversar.

O menino quer um burrinho
que saiba dizer
o nome dos rios,
das montanhas, das flores,
– de tudo o que aparecer.

O menino quer um burrinho
que saiba inventar histórias bonitas
com pessoas e bichos
e com barquinhos no mar.

E os dois sairão pelo mundo
que é como um jardim
apenas mais largo
e talvez mais comprido
e que não tenha fim.

(Quem souber de um burrinho desses,
pode escrever
para a Ruas das Casas,
Número das Portas,
ao Menino Azul que não sabe ler.)

2- Ou isto ou aquilo, de Cecília Meireles

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

3- A porta, de Vinícius de Moraes

Sou feita de madeira
Madeira, matéria morta
Não há nada no mundo
Mais viva que uma porta

Eu abro devagarinho
Pra passar o menininho
Eu abro bem com cuidado
Pra passar o namorado

Eu abro bem prazenteira
Pra passar a cozinheira
Eu abro de supetão
Pra passar o capitão

Eu fecho a frente da casa
Fecho a frente do quartel
Eu fecho tudo no mundo
Só vivo aberta no céu!

4- O direito das crianças, de Ruth Rocha

Toda criança no mundo
Deve ser bem protegida
Contra os rigores do tempo
Contra os rigores da vida.

Criança tem que ter nome
Criança tem que ter lar
Ter saúde e não ter fome
Ter segurança e estudar.

Não é questão de querer
Nem questão de concordar
Os direitos das crianças
Todos têm de respeitar.

Tem direito à atenção
Direito de não ter medos
Direito a livros e a pão
Direito de ter brinquedos.

Mas criança também tem
O direito de sorrir.
Correr na beira do mar,
Ter lápis de colorir…

Ver uma estrela cadente,
Filme que tenha robô,
Ganhar um lindo presente,
Ouvir histórias do avô.

Descer do escorregador,
Fazer bolha de sabão,
Sorvete, se faz calor,
Brincar de adivinhação.

Morango com chantilly,
Ver mágico de cartola,
O canto do bem-te-vi,
Bola, bola,bola, bola!

Lamber fundo da panela
Ser tratada com afeição
Ser alegre e tagarela
Poder também dizer não!

Carrinho, jogos, bonecas,
Montar um jogo de armar,
Amarelinha, petecas,
E uma corda de pular.

5- Guarda- chuvas, de Rosana Rios

Tenho quatro guarda-chuvas
todos os quatro com defeito;
Um emperra quando abre,
outro não fecha direito.

Um deles vira ao contrário
seu eu abro sem ter cuidado.
Outro, então, solta as varetas
e fica todo amassado.

O quarto é bem pequenino,
pra carregar por aí;
Porém, toda vez que chove,
eu descubro que esqueci…

Por isso, não falha nunca:
se começa a trovejar,
nenhum dos quatro me vale –
eu sei que vou me molhar.

Quem me dera um guarda-chuva
pequeno como uma luva
Que abrisse sem emperrar
ao ver a chuva chegar!

Tenho quatro guarda-chuvas
que não me servem de nada;
Quando chove de repente,
acabo toda encharcada.

E que fria cai a água
sobre a pele ressecada!
Ai…

6- Convite, de José Paulo Paes

Poesia
é brincar com palavras
como se brinca
com bola, papagaio, pião.

Só que
bola, papagaio, pião
de tanto brincar
se gastam.

As palavras não:
quanto mais se brinca
com elas
mais novas ficam.

Como a água do rio
que é água sempre nova.

Como cada dia
que é sempre um novo dia.

Vamos brincar de poesia?

7- A lua foi ao cinema, de Paulo Leminski

A lua foi ao cinema,
passava um filme engraçado,
a história de uma estrela
que não tinha namorado.

Não tinha porque era apenas
uma estrela bem pequena,
dessas que, quando apagam,
ninguém vai dizer, que pena!

Era uma estrela sozinha,
ninguém olhava para ela,
e toda a luz que ela tinha
cabia numa janela.

A lua ficou tão triste
com aquela história de amor,
que até hoje a lua insiste:
– Amanheça, por favor!

Veja também: Você sabia que faz bem incentivar o hábito da leitura entre as crianças?

8- Colar de Carolina, de Cecília Meireles

Com seu colar de coral,
Carolina
corre por entre as colunas
da colina.

O colar de Carolina
colore o colo de cal,
torna corada a menina.

E o sol, vendo aquela cor
do colar de Carolina,
põe coroas de coral

nas colunas da colina.

Poesia infantil sobre animais

Muitos poemas voltados para crianças falam sobre os animais. Dessa maneira, eles podem ser ótimos para serem lidos para as crianças pequenas como forma de ensinar o que cada um deles fazem. Da mesma forma que ensinam a importância do respeito e cuidado que elas devem ter com eles. Confira aqui alguns exemplos de poemas que falam sobre bichos.

1- A centopeia, de Marina Colasanti

Quem foi que primeiro
teve a ideia
de contar um por um
os pés da centopéia?

Se uma pata você arranca
será que a bichinha manca?

E responda antes que eu esqueça
se existe o bicho de cem pés
será que existe algum de cem cabeças?

2- Canção para ninar dromedário, de Sérgio Capparelli

Drome, drome
Dromedário

As areias
Do deserto
Sentem sono,
Estou certo.

Drome, drome
Dormedário

Fecha os olhos
O beduíno,
Fecha os olhos,
Está dormindo.

Drome, drome
Dromedário

O frio da noite
Foi-se embora,
Fecha os olhos
Dorme agora.

Drome, drome
Dromedário

Dorme, dorme,
A palmeira,
Dorme, dorme,
A noite inteira.

Drome, drome
Dromedário

Foi-se embora
O cansaço
E você dorme
No meu braço.

Drome, drome
Dromedário

Drome, drome
Dromedário

Drome, drome
Dromedário.

3- O gato, de Vinícius

Com um lindo salto
Lesto e seguro
O gato passa
Do chão ao muro
Logo mudando
De opinião
Passa de novo
Do muro ao chão
E pega corre
Bem de mansinho
Atrás de um pobre
De um passarinho
Súbito, para
Como assombrado
Depois dispara
Pula de lado
E quando tudo
Se lhe fatiga
Toma o seu banho
Passando a língua
Pela barriga.

4- A valsa das pulgas, de Ruth Rocha

As pulgas dançando no meio da rua
Dão pulos e pulos sob a luz da Lua

No baile das pulgas o passo é assim:
Três passos para o lado e entra o cupim.

Cupim dá três passos pra lá e pra cá
E a pulga contente toma guaraná.

Quem toca a valsinha é o sabiá
E as pulgas pulando pra lá e pra cá.

O tatu-bolinha já chega rolando:
“É o passo moderno, estou inventando!”

Com passos miúdos chega a joaninha
De vestido curto cheio de bolinhas.

Um pra lá, um pra cá
São as pulgas dançando, à luz do luar.

Lá no longe
A luz da Lua alumia…

5- O ovo do coelho, de Paulo Leminski

Coelho não bota ovo,
quem bota ovo é galinha.
Mas eu conheço um coelho
que é mesmo uma maravilha.

Os ovos que ele bota
você nem imagina.
São ovos de chocolate
ou ovos sabor baunilha.

Por isso, nosso coelho
foi expulso da família.
O pai dele disse: – meu filho,
isso é coisa de galinha.

O coelho respondeu rapidamente:
– meus pais eu não tenho culpa,
botar ovo é meu destino.
Se não posso botar ovo em casa,
prefiro botar sozinho.

E foi assim que o coelho
saiu de casa para a rua
botando ovo na Páscoa
no sonho de todo mundo.

Poemas curtos

As poesias infantis curtas são muito usadas a fim de estimular a memória das crianças. Isso pode ser por meio da repetição ou em desafios para recitar os poemas sem ler. Em outras palavras, quando as crianças se esforçam para lembrar dos versos, elas estimulam a capacidade de lembrar e aprender as coisas. 

Menina deitada na grama lendo

Existem poesias destinadas a crianças de todas as faixas etárias (Foto: depositphotos)

De qualquer maneira são uma forma de diversão para toda a família. Ao mesmo tempo em que ensinam as crianças novas palavras e a visão sobre o mundo. Confira alguns exemplos.

1- Na cara, de Ferreira Gullar

Gatinho, pra me acordar,
Não fica miando a esmo:
Mia bem na minha cara
Para ver se eu acordo mesmo.

2- Andorinha, de Manuel Bandeira

Andorinha lá fora está dizendo:
– “Passei o dia à toa, à toa!”
Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste!
Passei a vida à toa, à toa…

Veja também: 16 histórias para ler pequenas e online

3- Poeminha do contra – Mário Quintana

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

4- Pontinho de vista, de Pedro Bandeira

Eu sou pequeno, me dizem,
e eu fico muito zangado.
Tenho de olhar todo mundo
com o queixo levantado.

Mas, se formiga falasse
e me visse lá do chão,
ia dizer, com certeza:
— Minha nossa, que grandão!

5- Espantalho, de Almir Correia

Homem de palha
coração de capim
vai embora
aos pouquinhos
no bico dos passarinhos
e fim.

Por que ler poesia infantil?

Ler poesia infantil tem um grande impacto no desenvolvimento das crianças. Isso acontece principalmente pela introdução do hábito de leitura, por meio da apresentação de novas palavras e da estimulação da criatividade e imaginação.

Outro benefício que a literatura infantil traz é a melhora da socialização da criança e da concentração. Isso acontece, principalmente, por causa das rimas, que facilitam a atenção deles no que está sendo dito.

Por fim, a leitura dos poemas em voz alta exercita as habilidades necessárias para se falar em público. Entre elas estão a dicção e entonação correta das palavras.

Veja mais!