Publicado por Tailane Paulino

Neste artigo você irá descobrir o que é cyberbullying, como identificar e também o que deve ser feito nesses casos.

Em primeiro lugar é preciso saber o que é cyberbullying ou assédio virtual. Esse nome é dado a qualquer forma de perseguição, comportamento hostil e insultos que visam ridicularizar e constranger uma pessoa. Essa violência para ser caracterizada de cyberbullying pode ser praticada por um indivíduo ou grupo de pessoas. Contudo, sempre com o uso de celulares ou internet.

No entanto, sempre ocorre de maneira repetitiva. Diferentemente do bullying, onde o agressor precisa estar em frente à vítima, aqui a violência ocorre pela internet. Onde na maioria dos casos, os agressores se mantêm anônimos.

O que é cyberbullying?

Cyberbullying é uma variação do termo bullying. Neste caso a pessoa ou grupo utiliza celulares ou internet para praticar a violência. A palavra bullying foi cunhada a cerca de 15 anos para representar formas de violência recorrente contra uma pessoa. Em português também são usadas as expressões assédio ou violência virtual para classificar esses atos.

A palavra bullying vem do inglês e é uma expressão usada para as palavras “amedrontar” ou “intimidar”. Já que o termo bully é uma espécie de gíria correspondente a palavra valentão em português.

Menina sofrendo cyberbullying

Os ataques de cyberbullying, em sua maioria, são anônimos (Foto: depositphotos)

A expressão cyberbullying, no entanto, é mais recente. Ela passou a ser usada com os avanços da tecnologia, quando os celulares e a internet ficaram ao alcance de todos.

Com isso o bully não precisou mais se limitar a manter as agressões apenas nos momentos em que se encontrava com a vítima. Em vez disso as agressões podem ser constantes e por meio das redes sociais, na maioria das vezes, feitas de forma completamente anônima.

Só para exemplificar: insultar, constranger, perseguir e incitar o ódio contra uma pessoa são casos de assédio virtual. Assim como fazer a divulgação de informações pessoais e a disseminação de informações falsas na rede.

A semelhança entre os dois casos é o objetivo do agressor. Geralmente eles desejam ridicularizar e excluir a vítima da agressão de determinados ambientes. Para conseguir isso, essas pessoas podem se utilizar até mesmo de mentiras, chegando a espalhar boatos nas redes sociais.

No entanto, mesmo que não ocorram casos de violência física, o assédio virtual pode trazer consequências graves para as vítimas desse tipo de violência. Entre elas estão problemas de autoestima e até casos mais graves como ansiedade e depressão.

Como ele funciona?

Geralmente o cyberbullying é feito de maneira pública. Para isso são usados ataques pessoais, principalmente relacionados às características físicas da vítima. Tudo isso sempre feito com o intuito de constranger publicamente.

O agressor tem a seu dispor diversas ferramentas que podem ser usadas para este intuito. Entre as principais está a perseguição, que pode ser feita pelas redes sociais ou aplicativos de mensagens.

Só para exemplificar, ficar enviando mensagens pejorativas ou com ameaças de constrangimento ou violência pode ser caracterizado com cyberbullying. Criar páginas nas redes sociais com a intenção de ridicularizar alguém também se encaixa nesse meio.

Outro meio pelo qual este tipo de violência funciona é através da criação de contas falsas no nome de outra pessoa. Quando isso é feito com a intenção de ofender e causar constrangimento é caracterizado como violência e crime virtual.

Ofender uma pessoa de forma recorrente em grupos sociais online, comentários e até mesmo em blogs também se encaixa neste termo. Por fim, existe ainda a divulgação de fotos e vídeos íntimos ou a criação de montagens em aplicativos de edição de imagem usando a imagem da vítima.

Vale sempre lembrar que a principal característica do bullying é quando a violência acontece de maneira intencional e recorrente. Com a popularização da internet, a importunação pode ocorrer 24 horas por dia. O que faz com que ela traga diversas complicações para as vítimas.

Outro ponto que agrava o problema do cyberbullying é que os constrangimentos feitos de maneira online são permanentes. Isso acontece porque uma vez que qualquer informação é colocada na rede mundial de computadores ela pode ser replicada e dificilmente será excluída por completo.

Veja também: O que devo fazer quando estiver sofrendo bullying na escola

Tipos de bullying

Existem seis tipos principais de bullying. Eles são separados de acordo com o método usado para causar constrangimento. Esses métodos podem ser morais ou até mesmo físicos.

O ponto em comum entre todos os casos é o uso de violência física, psicológica ou moral recorrente. Sendo que na maioria dos casos a vítima apresenta um comportamento ou características tidas como diferente pela maioria. Portanto, acaba sendo excluída e ridicularizada.

Os principais tipos de bullying são:

  • Virtual
  • Físico
  • Psicológico
  • Verbal
  • Moral
  • Social

Virtual

O assédio virtual, ou cyberbullying, é um dos tipos de violência entre jovens mais comum nos dias de hoje. Os agressores se utilizam da internet para importunar, constranger, assediar e ofender as vítimas.

Na maioria das vezes de maneira anônima, já que não é necessário estar frente à frente com a vítima pela internet. Essa sensação de segurança faz com que o nível da violência se eleve, chegando até a ameaças graves.

A violência virtual é mais comum e frequentemente vista entre adolescentes. Nas estatísticas, as meninas são os maiores alvos, sendo inclusive vítimas de divulgação de fotos íntimas.

O ponto mais grave deste tipo de violência é que os autores quase nunca são encontrados e as informações compartilhadas na rede ganham proporções enormes. Há também o agravante de que as ofensas podem ser feitas a qualquer hora.

Físico

O bullying físico é o tipo mais conhecido e fácil de identificar de violência. Ele é caracterizado quando existem agressões físicas como tapas e beliscões frequentes na vítima.

Empurrões, impedimentos de circular em algumas áreas e toques invasivos também servem como exemplo. No entanto, ao passo em que é fácil de identificar o agressor e a vítima,muitas vezes esse tipo de violência é tratado como brincadeira entre amigos.

Por esse motivo é preciso prestar atenção e saber identificar os episódios de violência, que podem ser motivados por inúmeros fatores distintos.

Psicológico

O terceiro tipo mais comum de bullying é o psicológico. Ele é caracterizado principalmente pela perseguição em ambientes sociais como escolas ou trabalho. Essa violência é motivada geralmente por causa da discriminação racial, religiosa, sexual e características físicas como o peso.

As principais formas de violência observadas neste tipo são amedrontar, perseguir ou aterrorizar uma pessoa baseadas nas características já citadas. É violência psicológica também manipular, intimidar e chantagear uma pessoa em busca de vantagens.

Frequentemente as características de violência psicológica são vistas em conjunto com os outros casos da lista. Principalmente em casos de violência física, quando o agressor ameaça a vítima para que ela não denuncie.

Verbal

bullying verbal é mais comum entre crianças, mas pode ser praticado por pessoas de diversas idades. Neste caso é comum o uso de apelidos ofensivos com base em características da vítima.

Esses apelidos têm como objetivo excluir e ridicularizar a vítima publicamente. Contudo, se tornam um problema a partir do momento em que são tratados como brincadeiras comuns. 

Moral

O bullying moral é um dos tipos mais difíceis de serem identificados, já que pode acontecer de maneira não intencional. No entanto, ele causa prejuízos e problemas para a vítima da mesma maneira.

Aqui as principais características são calúnia ou difamação. Nesse caso, as fofocas são incluídas quando elas tem objetivo de prejudicar alguém. Quando recorrentes, a violência moral afasta a vítima do convívio social e faz ela apresentar diversos problemas. O bullying moral está geralmente associado ao virtual. 

Social

Por fim existe o bullying social. Nesse caso a violência não se restringe ao ambiente escolar, pois pode ser praticado em todos os locais da sociedade.

A principal característica deste tipo de violência é a discriminação de uma pessoa com base em características pessoas. Podendo ser motivado por religião, sexualidade ou aparência física.

Ignorar, excluir ou isolar socialmente uma pessoa, por exemplo, são formas de violência social. A longo prazo isso pode ser prejudicial a saúde mental das vítimas, que tendem a se isolar.

O principal problema é identificar este tipo de violência, que ocorre de forma mais sutil que as outras citadas. Por isso ela, muitas vezes, passa despercebida até mesmo para as vítimas.

Casos famosos no Brasil

Um estudo recente divulgado pelo Ipsos, uma empresa de pesquisa e inteligência, revelou que o Brasil é o segundo país com mais casos de bullying virtual em todo o mundo.

Os dados da pesquisa mostram que cerca de 30% das crianças e adolescentes brasileiros já foram alvo de algum tipo de violência virtual. Esses números são alarmantes e podem ser ainda maiores, levando em consideração os casos que não vem à público.

Um dos casos de assédio virtual registrados no Brasil aconteceu em 2013, com uma adolescente que na época tinha 12 anos. A adolescente passou a receber diversas ofensas e ter a sua imagem compartilhada sem a sua autorização. Tudo isso foi motivado por conta de características físicas da garota.

Em 2016, um consultor de vendas de São Paulo sofreu um forte assédio virtual após postar uma foto de antes do processo de emagrecimento. Logo após isso ele relatou diversas mensagens com conteúdo ofensivo e afastamento de pessoas das suas redes sociais.

O último caso chocante aconteceu em 2018, quando uma adolescente de 17 anos cometeu suicídio após diversos episódios de violência virtual. A violência contra ela foi motivada por características físicas e continuaram mesmo após a sua morte.

O que todos os casos têm em comum é o uso das redes sociais como forma de disseminação de ódio e forma de constrangimento. Frequentemente os agressores se escondem em perfis falsos para importunar de maneira frequente uma pessoa. Quando isso acontece eles são chamados de haters ou algo como odiadores em português.

Veja também: Como ser popular na escola?

O que fazer ao ser vítima de violência ou assédio virtual?

Quando alguém descobre ser vítima de cyberbullying é importante saber que está sendo vítima de um tipo de violência. Portanto é crime e passível de punições previstas em lei.

Sendo assim, o primeiro passo deve ser juntar todo o material que pode servir de prova. Sendo assim, é necessário ter em mãos todo o conteúdo ofensivo que foi encontrado.

Vítima de cyberbullying

O cyberbullying pode causar sérios danos psicológicos a vítima, podendo desencadear o suicídio (Foto: depositphotos)

Um outro passo importante é procurar o Cartório de Notas para solicitar uma Ata Notarial. Esse documento serve como prova de que as informações foram publicadas na internet, mesmo no caso delas serem excluídas pelos agressores.

Em seguida é preciso procurar uma delegacia com todos os materiais citados acima para abrir um boletim de ocorrência. Essas ofensas podem ser enquadradas em diversos outros crimes, como através da lei Maria da Penha quando a violência é dirigida para uma mulher, por exemplo.

Uma outra opção viável é contatar um advogado para agilizar o processo. Este é principalmente indicado no caso onde a vítima conhece a identidade dos agressores, gerando então um processo.

Quais consequências o assédio virtual traz para as vítimas?

O principal problema do cyberbullying é a violência psicológica. Isso faz com que as vítimas desenvolvam diversos problemas, que podem ter consequências graves.

Os principais deles, a longo prazo, são problemas de autoestima e em manter relacionamentos sociais. Isso acontece porque o assédio virtual pode fazer com que a vítima perca a confiança em si mesma.

Isso leva ao segundo problema que é o isolamento social. Esse é, inclusive, um dos principais sinais de bullying em crianças e adolescentes. Dessa maneira por conta da pressão social e ofensas gratuitas, as vítimas acabam se isolando, deixando de sair de casa.

Distúrbios do sono, alimentares e pensamentos autodestrutivos também estão entre essas consequências. Por fim, as vítimas de cyberbullying podem desenvolver transtornos de ansiedade e depressão. Isso faz com que muitas delas acabam se suicidando.

Por isso é importante que os pais estejam atentos para aconselhar e minimizar os estragos causados e tomar as providências necessárias.

Como evitar o problema?

Para evitar o crescente percentual de cyberbullying é importante ter o envolvimento dos pais. Ao contrário da modalidade física, esse tipo de violência acontece geralmente fora do alcance da escola. Portanto cabe aos pais a responsabilidade de fiscalizar o que os filhos fazem na internet.

Para isso é possível seguir algumas dicas como instruir as crianças e jovens a não aceitarem convites de estranhos. Isso porque essas pessoas podem roubar informações pessoais e usar como forma de constranger a vítima.

Veja também: Psicóloga dá dicas de como lidar com o início da vida escolar dos filhos

Também é importante ensinar que os pais devem ser comunicados imediatamente caso recebam algum comentário ofensivo. Evitar também expor fotos e vídeos pessoais na internet.

Por fim, é importante sempre fiscalizar os sites acessados e monitorar o conteúdo visto online. Também é importante deixar claro que os responsáveis pela violência serão responsabilizados na justiça.

Veja mais!