Publicado por Pollyana Batista

O cérebro é o órgão mais complexo do nosso corpo. Por isso mesmo, difícil de ser desvendado. Há um mito que diz que só usamos apenas 10% da capacidade dele, porém, algumas pesquisas já comprovam que isso não é verdade. Ainda assim, desconhecemos sua real capacidade.

É possível fazer coisas incríveis somente com nossa capacidade cognitiva, como por exemplo, mapas mentais, você sabe como fazer um?

Quem vai nos ensinar a fazê-los é Renato Alves, o primeiro brasileiro a receber através de homologação oficial, o título de Melhor Memória do Brasil pelo Rank Brasil, o livro dos recordes nacionais.

Formado em Ciências da Computação, ele também tem especialização em Ciências Cognitivas e Filosofia da Mente e hoje é pesquisador cognitivo nas áreas de aprendizagem, concentração e memória.

Quando estiver fazendo seu mapa mental utilize cores diferentes para as informações

Você vai precisar desenhar os dados necessários para compor seu mapa mental (Foto: depositphotos)

No seu site oficial, Renato indaga: “você tem dificuldades para lembrar o conteúdo que estudou? Na hora da prova vem aquele “apagão” desesperador? Você estuda, lê dezenas de páginas, faz exercícios, mas não parece o suficiente? Um mapa mental pode ser a solução”.

O que é um mapa mental?

Um mapa mental é uma espécie de árvore genealógica dos pensamentos, onde o tronco é a ideia central e os galhos seriam as informações ligadas a ela.

O primeiro estudioso a utilizar esse termo foi Tony Buzan que criou a sua teoria sob a justificativa que o cérebro capta muito mais os desenhos simples e palavras-chaves do que conteúdos extensos.

Veja também: Como memorizar textos com facilidade

Como fazer um mapa mental?

Se ele é um desenho, nada mais justo do que o desenhar! Por isso, Renato Alves indica: “Um princípio importante do mapa mental são os desenhos, porque são eles os responsáveis por ajudar o cérebro a guardar uma informação. Por isso, você vai precisar desenhar os dados necessários para compor seu mapa mental”.

Ah, e não precisa ser um gênio nos traçados! Mesmo que você não saiba desenhar o que vale é a informação contida no papel.

“É importante que você utilize cores diferentes para as informações do mapa mental. Isso auxilia o cérebro a associá-las e ativá-las na memória durante a prova”, recomenda Alves.

Veja também: Benefícios da leitura

Preenchendo o mapa mental

O primeiro passo depois de reunir os materiais necessários é definir uma ideia central, que será o seu eixo, o seu tronco. Treine com coisas simples do dia a dia e depois passe a investir em assunto mais relevantes.

Em seguida, comece a pensar no que colocar nos galhos do mapa mental. Eles são os responsáveis por dar corpo ao tema central, dar embasamento. Lembre-se de centralizar o tema principal para que sobre espaço para as conexões.

“Essas conexões podem ser de dois, três ou até quatro níveis. O importante é organizar as informações de forma sucinta e criativa. Evite usar frases inteiras ou com mais de duas palavras para montar os ramos que conectam seu mapa mental; isso vai ocupar muito espaço e não facilita a memorização”, ensina Renato Alves.

Quando estiver pronto, você deve deixar o seu mapa mental exposto em um lugar que você sempre possa vê-lo, isso vai ajudar ainda mais a fixar o conteúdo. Treine várias vezes até que você desenvolva essa capacidade que te ajudará bastante na vida profissional, escolar e acadêmica.

Veja também: Como estudar sozinho para as provas? Aprenda e tenha bons resultados

Veja mais!