Publicado por Katharyne Bezerra

A origem da educação física escolar tem uma longa história que poucos conhecem. Até chegar a essa educação física que conhecemos hoje, a disciplina passou por modificações ao longo de toda a história do Brasil.

Começando desde à chegada da Família Real Portuguesa (1800), passando pelo período de Getúlio Vargas (1930) até os dias atuais.

Dessa maneira, é possível afirmar que houve uma evolução na história da educação física no Brasil. Com o passar dos anos, a importância de ter essa disciplina nas escolas foi se tornando mais clara. Atualmente, essa matéria é obrigatória na maioria dos níveis de ensino e com isso fica evidente todos os benefícios dessa prática na vida dos estudantes.

Como surgiu a educação física na escola?

O início da preocupação com a educação física no Brasil foi em meados de 1800, junto a chegada da Família Real Portuguesa em solos brasileiros. Porém, de acordo com o graduado em Educação Física pela Universidade de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, Arnaldo Elói, o ensino dessa prática só foi incluído em 1851 através da reforma Couto Ferraz.

A origem da educação física escolar tem relação com a chegada da Família Real Portuguesa

No ano de 1854, a ginástica torna-se disciplina obrigatória no primário (Foto: depositphotos)

Essa reforma ganhou o nome Couto Ferraz em homenagem ao seu coordenador. Entre as medidas adotadas por ela estava a de melhorar o ensino. “Três anos após a reforma, no ano de 1854, a ginástica torna-se disciplina obrigatória no primário e a dança no secundário”, informa Elói em artigo publicado pela Revista de Educação do IDEAU.

Com o passar dos anos, a educação física ganhou um caráter higienista. Isso significa dizer que naquela época, a prática de exercícios estava relacionada a questões de higiene e saúde. Depois, a disciplina passou a ser utilizada pelos militares. Nesse caso, como forma de contenção e ordem da sociedade, principalmente dos mais jovens.

“[…] surgiu o chamado militarismo, em que se passa a ter como objetivos na escola, a formação de indivíduos capazes de suportar o combate, a luta, para atuar na guerra. O que acontece a partir daí foi uma busca por indivíduos fisicamente ‘perfeitos’, onde os incapacitados eram excluídos da prática.”

Então, a partir da segunda metade do século XX a educação física inicia um processo marcante na história. Esse período foi chamado de “esportivização”. Uma tática empregada pelos militares para mostrar um “Brasil Gigante”.

Veja tambémPor que a educação física escolar é importante?

Lei brasileira sobre a educação física

Atualmente, a educação física nas escolas está estabelecida por meio das Leis de Diretrizes e Bases (LDB). De acordo com a Lei 9.394, de 1996, essa disciplina passa a fazer parte oficialmente das escolas.

No artigo 26, parágrafo terceiro, a Lei determina que “a Educação Física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular da Educação Básica, ajustando-se às faixas etárias e às condições da população escolar, sendo facultativa nos cursos noturnos.” Já em 2003, a cadeira de educação física tornou-se optativa no Ensino Médio.

Primeira escola de educação física no Brasil

Apesar da longa história da educação física no Brasil, a primeira escola destinada exclusivamente a essa área só foi criada em 1910. Institucionalizada pela Polícia Militar, a escola preparava profissionais de educação física.

Além disso, era chamada de Força Pública do Estado de São Paulo. Hoje em dia, existem faculdades públicas e particulares que oferecem o curso dessa área para a formação de um profissional.

Veja também: Qual o papel da escola?

Evolução da educação física

Em primeiro lugar, é importante destacar que os exercícios físicos surgiram bem antes das institucionalizações. Por exemplo, os povos indígenas já praticavam atividades que necessitavam de esforço físico. Contudo, essas práticas eram usadas para garantir sobrevivência e exaltar a cultura indígena.

Lutas, danças, caça e outras atividades exigiam preparo físico dos índios. De forma semelhante ocorreu com os africanos, que trouxeram suas danças e lutas, como a capoeira. Hoje em dia, a capoeira é considerada um esporte por muitos especialistas.

Com o passar dos anos e a formação das sociedades, surgiu a necessidade de institucionalizar determinadas práticas. Por isso, os exercícios físicos tornaram-se um conjunto de atividades que compõem a educação física.

Por sua vez, a educação física passou por uma evolução. A verdade é que foram estabelecidos estágios nessa prática de acordo com os movimentos históricos. Assim, temos: Fase higienista, Fase militarista e Fase esportivista.

A importância da educação física escolar

A primeira escola destinada a essa área foi criada em 1910, pela Polícia Militar

A educação física escolar dever ser de direito a todos (Foto: depositphotos)

Quando perguntados sobre a importância da educação física escolar, professores da área apresentam respostas bem individuais. Por isso, o Portal da Educação Física foi atrás da opinião de alguns desses profissionais. Com o intuito de entender melhor o que os lecionadores acreditam que essa atividade pode proporcionar aos alunos na escola.

Por exemplo, para o mestre em gestão do esporte e professor de educação física, Denis Pereira, a disciplina tem funções diferentes dependendo do nível escolar. Enquanto que no Fundamental I as atividades físicas são importantes para a aquisição da bagagem motora dos alunos; no Fundamental II os movimentos e bagagem são aprimorados.

Ainda para o professor, no Ensino Médio o aluno passa a compreender as atividades como formas de manutenção da saúde.

Segundo Denis, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a disciplina não é uma preparação para atletas. Os jovens que queiram seguir essa carreira devem buscar turmas de treinamento fora da escola. “[…] a educação física escolar dever ser de direito a todos e as turmas de treinamento são excludentes, ou seja, seleciona os melhores e mais habilidosos”, explica Denis.

Veja também: Jogos nostálgicos educativos para crianças

Já para a professora de educação física Carla Vidoni, que trabalha na University of Louisville, a matéria não deve ser confundida com lazer ou recreação. Segundo a profissional, é imprescindível que os alunos entendam o objetivo da educação física. Nesta caso, ajudar os estudantes a optarem por escolhas de hábitos saudáveis.

Quais os benefícios de praticar educação física?

Ao contrário do que muitas pessoas possam imaginar, a educação física nas escolas tem um papel que vai além de alertar para uma vida mais saudável. Como os estudantes precisam trabalhar em equipe, muitas das vezes, as aulas dessa disciplina ajudam a criar boas relações entre os cidadãos. Assim, não se exclui nenhum aluno e consequentemente aceita as diferenças presentes na sociedade.

Além do quesito social, é claro que existem outros benefícios de praticar educação física na escola. A principal dela é o alerta para questões de saúde. Em outras palavras, ao praticar exercícios, as pessoas diminuem o risco de apresentar problemas sérios como: hipertensão arterial, obesidade, diabetes, doenças respiratórias e alto índice de colesterol ruim.

Segundo o Blog Educação Física, outros benefícios das atividades podem ser listados, a exemplo de: desenvolver a coordenação motora, melhorar a autoestima dos alunos, incentivar o conhecimento a cerca do próprio corpo e limites.

Contudo, não são apenas esses os efeitos benéficos das aulas físicas. Essas práticas também contribuem para uma maior interação dos alunos, reduz o estresse e as cobranças do dia a dia e ainda coopera para a construção de um estilo de vida melhor e mais saudável.

As atividades físicas na escola

Depois de saber da origem da educação física escolar, da evolução dessa disciplina no Brasil e da importância que essa área desempenha na vida dos estudantes, é importante também entender um pouco mais sobre como desenvolvem-se essas atividades físicas dentro do ambiente escolar.

De acordo com alguns profissionais, a prática da educação física é diferente nos níveis escolares. Por exemplo, no Ensino Fundamental I há atividades que são diferem das praticadas no Ensino médio. Isso porque, os exercícios são baseados na estrutura física de cada estudante.

Além disso, vale ressaltar que nem sempre as atividades são ligadas ao esporte. Isso significa dizer que nem todos os exercícios precisam de esforço físico. No Blog Educação Física, os profissionais da área dão algumas dicas para se colocar em práticas com os alunos de acordo com a série.

Veja tambémComo criar jogos fáceis e educativos

Educação física no Ensino Fundamental I

A prática da educação física é diferente nos níveis escolares

O futsal é uma modalidade esportiva muito usada nas educações físicas (Foto: depositphotos)

  • Amarelinha: Em cada região do país a amarelinha vai ter uma característica diferente. No entanto, de forma geral, é uma atividade onde se desenha no chão sete casinhas e um céu no final. Para jogar, os alunos joga a pedrinha no número de forma crescente e pula entre as casas. A regra é não colocar o pé no quadro ocupado;
  • Morto-vivo: Uma pessoa é o orador e ele controla os movimentos dos demais. Quando ele disser morto, todo mundo se abaixa. Já quando ele gritar vivo, todos ficam de pé. Durante a brincadeira, o orador fala cada vez mais rápido e o vencedor é o último que acertar todos os comandos;
  • Dança das cadeiras: Para jogar essa, o professor organiza as cadeiras em círculos voltados para fora. As crianças brincam fazendo voltar nas cadeiras ao som de alguma música. Sempre que a canção pausar, todos devem buscar uma cadeira para sentar. O único que ficar em pé no final de cada turno sai da brincadeira. Sempre que uma pessoa sobrar e sair do jogo, uma cadeira é retirada do círculo. Ganha quem ficar por último.

Quais as práticas de educação física para o Ensino Fundamental II e Ensino Médio?

  • Futebol: Uma das atividades físicas mais praticadas no Brasil todo, o futebol não poderia faltar na lista de práticas de educação física para Ensino Fundamental II e o Ensino Médio;
  • Futsal: Essa é uma versão do futebol que usa quadras, ao invés de campo. Além disso, a quantidade de jogador é bem menor. Nessa modalidade são apenas cinco jogadores de cada lado, contando com o goleiro;
  • Vôlei: Outra atividade divertida é o vôlei, mas que ajuda na interação dos jovens nas escolas;
  • Basquete: Nem toda escola investe em basquete para os alunos, mas há quem opte por esse esporte para ensinar como trabalhar em equipe e ainda assim ter um boa qualidade de vida;
  • Handebol: Meninos e meninas dividem o amor pelo handebol. Considerado um jogo corpo a corpo, esse tipo de atividade possui suas próprias regras, como: a bola não pode encostar em partes do corpo do joelho para baixo; não vale bater a bola no chão, pegar e bater novamente; não é permitido dar mais de três passos com a bola na mão sem batê-la etc.

Outras formas de praticar educação física escolar

  • Dança;
  • Capoeira;
  • Natação;
  • Atletismo.

Veja mais!