Publicado por Prof. Nathália Duque

A onça é um animal mamífero. Os registros fósseis mais antigos de um mamífero datam de 225 milhões de anos, no início do Jurássico.

Os animais mamíferos expandiram-se muito, ocupando grande diversidade de ambientes: desde regiões polares até os trópicos. A maioria dos mamíferos é terrestre.

Os mamíferos receberam esse nome devido sua característica mais marcante, a presença de glândulas mamárias. Elas estão presentes em machos e fêmeas, sendo mais desenvolvidas e funcionais somente nas fêmeas, que produzem o leite do qual os filhotes se alimentam ao nascer.

Além das glândulas mamárias, que são estruturas derivadas da epiderme, esses animais apresentam outras estruturas epidérmicas exclusivas, que são anexos de sua pele: os pelos, as glândulas sebáceas e as glândulas sudoríparas.

Como exemplo de mamífero, temos a onça. A onça pintada é um dos principais símbolos da fauna brasileira.

Características da onça

A onça é um felino carnívoro, que possui manchas pretas em seu corpo, por isso o seu nome vulgar “onça pintada”. Também é conhecida como jaguar ou onça-preta.

Três onças pintadas

A onça pintada é o terceiro maior felino do mundo, pensando em torno de 150 quilos (Foto: depositphotos)

Esse animal possui o corpo coberto de pelos. Os pelos cobrem o corpo dos mamíferos e formam uma camada protetora contra a perda de calor para o ambiente, característica importante para um animal endotérmico.

Como todo mamífero, possuem glândulas sebáceas. Essas glândulas estão geralmente associadas à base dos pelos, produzindo uma secreção oleosa que lubrifica os pelos e a pele.

As glândulas sudoríparas produzem o suor, que além de outras substâncias, é rico em água e constitui um importante fator no mecanismo de regulação térmica do corpo.

A onça é o terceiro maior felino do mundo, perdendo apenas para o tigre e o leão. Contudo, é o maior felino do continente Americano.

Quando adulto, pode chegar a pesar em torno de 150 quilos e alcançar até 2,70 metros de comprimento. Os machos costumam ser mais pesados que as fêmeas.

Além disso, o período de gestação da onça varia de 93 à 105 dias, nascendo apenas dois filhotes por gestação.

São animais com ótima audição, olfato e visão noturna. Sobem em árvores com facilidade, pois sua espinha dorsal é bem flexível.

A onça pintada não mia, como a maioria dos felinos. Ela emite um som como de um ronco muito forte, chamado de esturro. É um animal robusto, com grande força muscular e uma mordida potente.

Alimentação

A onça pintada é um animal carnívoro e predador. Alimenta-se principalmente de pequenos e grande mamíferos (antas e bois), répteis e aves.

São animais de hábitos noturnos, mas também são vistos durante o dia. Caçam de modo solitário.

Onça pintada x onça preta

A onça preta habita as florestas tropicais. Também é conhecida como pantera negra ou pantera nebulosa. É encontrada no Sul dos Estados Unidos e no Norte da Argentina.

A onça preta e a onça pintada pertencem a mesma espécie, porém, a onça preta possui mais melanina (pigmento que dá coloração escura) em seu corpo. Atualmente, ela está ameaçada de extinção.

A onça pintada habita as florestas e savanas. Encontrada na América do Norte (Arizona, Texas e Novo México) e América do Sul.

Ela é ágil, esbelta e apresenta as pernas um pouco curtas. Seu corpo é cheio de manchas pretas em forma de roseta, mas a região ventral é branca.

Importância

A onça pintada possui uma beleza admirável. É um animal de grande importância e necessita de áreas preservadas para sobreviver.

A presença desse felino indica boa qualidade ambiental para sua sobrevivência. A onça é um ser vivo importantíssimo para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas.

Distribuição geográfica

A onça é raramente encontrada no México e já foi extinta dos Estados Unidos. Apesar de estar ameaçada em extinção no Brasil, ela ainda é encontrada no nosso país, principalmente na floresta Amazônica e na Mata Atlântica.

Também já foi vista no Pantanal e no Cerrado. De modo geral, a onça sofre muitas ameaças pela espécie humana e suas atividades. No nordeste, sul e sudeste brasileiro ela praticamente foi extinta. A extinção deve-se a caça predatória e a destruição dos habitats desses animais.

Onça preta no mato

Onça pintada e onça preta pertencem a mesma espécie, mas essa última possui mais melanina (Foto: depositphotos)

As onças vivem em buracos de troncos caídos, em grutas e também são vistas subindo em árvores procurando um espaço para descansar.

Infelizmente, o ser humano é o principal predador desse animal. Ele captura a onça por causa da beleza de sua pele e desmata o meio o ambiente em que ela habita para que os fazendeiros possam fazer o plantio de suas espécies.

A onça raramente ataca o homem, somente em situações de defesa de seus filhotes ou quando estão sendo caçadas.

Curiosidades

  • A onça pintada é o terceiro maior felino do planeta
  • Apesar de causar medo na maioria das pessoas, as onças raramente atacam os seres humanos. A não ser quando são ameaçadas diretamente por eles
  • A mordida da onça é mais potente que a do leão. Ela consegue quebrar os ossos do casco de uma tartaruga com suas mordidas
  • Elas caçam à noite ou ao entardecer. Sua visão noturna é muito apurada
  • Se alimentam principalmente de veados, capivaras, antas, peixes, raposas, cobras e sapos
  • A onça pintada era considerada símbolo de força pelas civilizações antigas da América do Sul e América Central
  • As onças já foram totalmente extintas dos Estados Unidos. Seu último registro foi feito em 1960
  • Também é conhecida como jaguar. Esse termo vem do tupi guarani e quer dizer “aquela que mata com um salto”
  • A dieta da onça é muito misteriosa. Ela consegue ficar até uma semana sem comer, em contrapartida, chega a devorar cerca de 20 quilos de carne em apenas um dia
  • As onças recém nascidas nascem cegas e indefesas. Nessa fase, precisam do cuidado materno até atingirem os dois anos. Após essa etapa, possuem hábitos completamente solitários
  • São vistas acompanhadas quando adultas apenas para acasalamento.

*Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

MORATO, Ronaldo Gonçalves et al. “Avaliação do risco de extinção da Onça-pintada Panthera onca (Linnaeus, 1758) no Brasil“. Biodiversidade Brasileira, n. 1, p. 122-132, 2013.

RAMALHO, Emiliano Esterci; MAGNUSSON, William Ernest. “Uso do habitat por onça-pintada (Panthera onca) no entorno de lagos de várzea, Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, AM, Brasil“. Scientific Magazine UAKARI, v. 4, n. 2, p. 33-39, 2008.

PORFÍRIO, Grasiela Edith de Oliveira. “Ecologia alimentar da onça-pintada (Panthera onca) na sub-região do Pantanal de Miranda, MS“. 2009. Dissertação de Mestrado.

Veja mais!